perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, julho 22, 2006


PALAVRAS QUE INQUIETAM (5)


Þ O racionalista Baruch Spinoza, que viveu em meados do século XVII, era tido como um homem de doutrinas perigosas. E diante disso (olhaí a prática que vem de longe...), mandaram-no chamar e ofereceram-lhe um rendimento anual equivalente a 500 dólares pelo seu silêncio e sua adesão à fé ortodoxa. Recusando tal oferta, foi de imediato excomungado. Começou, então, a viver seu drama. Mas, não se abateu e aprofundou-se nas suas teses, como filósofo que era. Dizia que "o mundo nunca foi criado, nunca será destruído". E definia a atitude religiosa pela ignorância das causas. Não acreditava num Deus pessoal, providencial. Deus, para ele, era o mundo. Completava depois sua teoria, dizendo: "todo homem deve amar a si mesmo e procurar o que lhe é útil". Quando afirmavam que era um conceito egoísta, ele arrematava: "pois, para que amemos a nós mesmos, havemos de amar aos outros", disparando em seguida que "as nossas maiores vitórias são obtidas não pelas armas, mas pela grandeza da alma".


Þ Falemos um pouco agora sobre a liberdade... E vamos ao encontro de Jean-Jacques Rousseau, que, com sua alma romântica e sentimental, dizia ser a mesma "não apenas um direito, mas um dever imprescindível da natureza humana, que exige também a igualdade dos homens". Sabendo ele que "quando a civilização e a sociedade os corrompem, é preciso recorrer ao sentimento, voltar à natureza". Mas, num tom alegórico, embora o escritor russo Dostoievski (Crime e Castigo, entre outros) dissesse que "os homens não têm mais de escolher, nem de pensar, nem de querer, pois para lhes dar a felicidade cega, arrebataram-lhes as liberdades", o pensador e filósofo francês Jean-Paul Sartre dizia categórico que "ao querer a liberdade, descobrimos que ela depende inteiramente da liberdade dos outros, e que a liberdade dos outros depende da nossa". Reconhecendo também que "minha liberdade é um mito... e minha vida se constrói por debaixo desse mito, com um vazio, o sonho orgulhoso e sinistro de não ser nada". E quando outro pensador, o Edmund Husserl, observa, então, e diz ser "o futuro radicalmente indeterminado, imprevisível; não existe tempo objetivo e tudo recomeça a cada instante", sentimos que a nossa almejada liberdade pode ser apenas um toque de imaginação.

ESPAÇO LIVRE


METÁFORA


A neblina cai na madrugada
acordando teus sonhos
atiçando qualquer sono
embaçando a tua solidão.

Ela pactua com o amanhecer
na esperança de te saudar
no desejo de te conhecer.

E forma uma tênue névoa
ocultando tua meiga afeição
no desespero de uma vida.


Bené Chaves

por benechaves às 09:44