perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, julho 15, 2006

Compartilho hoje com vocês do conto Castelos de Areiamar, inserido no livro do mesmo nome, editado em 1984. E com as necessárias modificações de praxe. Falando sobre o mesmo na sua contracapa disse o escritor natalense Eulício Farias de Lacerda: "O conto que dá nome ao livro é o único que escapa à temática dos demais. Nele o autor explora o denominado realismo mágico ou fantástico, gênero que teve o seu boom nas décadas de 60 e 70, por influência direta dos autores latino-americanos". Espero que tenham uma boa leitura.


CASTELOS DE AREIAMAR


Redescobri-me quando fui novamente empurrado para dentro daquele buraco. A areia me cobriu e, então, não vi nada, apenas umas patas dando incômodos chutes no meu traseiro tentando me afastar o mais rápido possível. Eles queriam me enterrar vivo, de surpresa, sem aparências. E pensar que a pouco brincava descontraído sobre enormes ondas, o brabo mar às vezes ralhando comigo e jogando-me nos morros. Dormia horas de papo pro ar, feito menino buchudo, nas cercanias do lugarejo. Neste mundo perigoso, mundão de precisões. No inverno, passava a vida me ocupando de barracas e embarcações, a chuva caindo sem piedade. No verão, derretia ao sol, avermelhava, pensavam em doença feia, a pele esfolada em manchas escuras e carne-viva.
Estava deitado e senti um arrepio como alguém fazendo cócegas, dedos frios alisando minha espinha. Abri os olhos e tive medo. Pois é... Dentro do buraco acenderam-se luzes. Olhei ao redor e vi um bonito castelo. Ao lado, bonecas cantavam e dançavam alegres músicas de remelexo. Um senhor de cabelos brancos e ombros largos, cara de raposa, me olhou furtivamente. Baixei o rosto encabulado, pensando estar sendo alvo de repreensões. Na parte de cima um candeeiro iluminava uma mesa cheia de fartos pratos enfeitados e saborosos. Fiquei com água na boca. E com fome também. Tudo era deslumbramento! Não me contive e desci para o vão oposto, aproximando-me da mesa a beliscá-la feito passarinho faminto. Todo aquele feitiço aos meus olhos. Embaixo do mar, céu, estrelas... Eram encantações!...
Os fantoches saíam e dentro de segundos estariam em rebolados ininterruptos. Ajeitando aqui e ali seus belos trapos de pano, orgulhosos, desenfastiados, fantasmas a percorrer o retangular ambiente. Um sabor agradável atingiu meus lábios e me transformou... Melodiei uma música saída espontânea, solta, como se quisesse bailar. O suposto dono do castelo riu a valer, vendo-me, talvez, em situação vexatória e ridícula para si próprio. Estava tonto, o teto estabilizou e uma areia fina caía aos montes. Fiquei perplexo e não vi mais nada. O mar parado, calado, parecia tirar uma soneca nas trevas, às escondidas. O sol e a lua desapareceram e se ocultaram dos tumultos. A felicidade encarcerava-se no subterrâneo.
No quarto ao lado uma jovem saiu distribuindo beijos e afagos. Pensei em sonhos, delírios, arrebatamentos... Era a rainha. Olhou-me de raspão e baixou a cabeça. Todos consumiam algo de deleitoso. Gritaram e apalparam na inquietação ao redor da mesa. Nunca viram uma mulher igual àquela. Quando o rei os apareceu eles empalideceram e os olhos do monarca ofenderam nossos procedimentos. Passou, repassou... E uma estrela piscou longe, sonolenta.
Debaixo da terra, seres que podiam parecer diferentes viviam aquém e além de ilusões. Surgia uma nova existência. E dançavam e cantavam verdades. E pulavam e comiam como outros humanos. Fantasias requebradas e autênticas. Mesmo no paradoxo que a palavra pudesse declinar. Perto dali alguns pássaros rolavam com seus vôos cantarolados na imaginação, a música não mais que diluindo sons e ruídos de uma bela partitura.
Eram somente sorrisos e suores entrelaçados, pois uma cidade estava se erguendo no meio da população. Uma urbe subterrânea. Povoadas sim senhor! Pensei que fosse obra de imagineiro, doidice. Palavra de honra! Mas, a verdade se construía aos nossos pés. Uma verdade sem donos. E as pessoas caíam puxadas por um ímã, uma sedução. O mar aderiu e jogou-se arrebatado, sua cor azulada nos encharcando de alívio. Em breve teríamos corredores de casas. A lua apareceu linda e com uma luz que brilhava nas circunvizinhanças nos deixou em um estágio de êxtase. Estava no seu esplendor total. E o sol resolveu também nos aquecer quando se erguia portentoso sob as colinas.
No céu, na transgressão inadiável, vi estrelas tentando fugir, chorando tal mudança de ares. Chorando de felicidade. Desejavam, elas, serem livres, escolherem, palpitarem. E iluminarem. Porquanto todos nós sabíamos que a liberdade teria de ser feita a braços longos. Então a terra se desfez. Não mais iria existir vida na parte superior. Lógico que não! Ela penetrara no ar, ei, ia... No mar, amar... No amor!
Bené Chaves

por benechaves às 09:35