perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, maio 27, 2006

No dia 01 de agosto de 2004 iniciamos aqui nossa página. E, ao mesmo tempo, uma autobiografia em forma de folhetim. Com espaços regulares, intercalados por contos ou artigos sobre filmes, fomos mantendo uma pequena, mas, paradoxalmente, extensa saga sobre a cidade de Gupiara, o foco da questão. Muitos não sabem onde fica tal cidade, acho inclusive que ela não existe mais. Deve ter se transformado assim como uma bela jovem de seus vinte anos se transforma em uma idosa de oitenta. São os sinais do tempo existentes no ser humano e também em lugares habitacionais, objetos e inúmeras outras particularidades.
Hoje chegamos ao fim desta autobiografia, que foi uma mesclagem entre o verdadeiro e o fictício. Muito acontecimento verídico pode ser confundido com o inverídico. Ou vice-versa. Mas, isso fica por conta dos amigos e das amigas que nos toleraram nestes quase dois anos do citado folhetim. O que foi inventado partiu, certamente, da nossa imaginação como uma ilustração para tornar a narrativa mais atraente. Sem inverdades, contudo, apesar de vivermos entre mentiras e verdades.
Desejo a todos, portanto, uma ótima leitura.



EPÍLOGO (final)

Diante de belas imagens a circundar também nos arrabaldes e elas cada vez mais brilhantes e imaginativas, a magistratura tornava-se ágil, soberana e seus titulares acolhiam decisões coletivas, fazendo a decepcionada justiça sobressair sem a incorreta coação de uma autoridade executiva e despótica. Os prepotentes e falsos mandatários eram julgados e presos em nome de uma jurisprudência. A mediocridade, enfim, deslocada para ceder lugar à razão. Painhô e Mainhô surgindo jovens e vigorosos, enquanto os outros filhos despontavam na mocidade. As crianças renascidas e as violências contidas. As filhas do meu casamento decerto ainda iriam nascer felizes e robustas. O amigo morto Valdeci apareceu não sei de onde e juntos ríamos do momento vivenciado. Os verdadeiros companheiros também se erguiam jovens e relutantes. E uma surpresa inexplicável naquele instante de puro prazer: a atriz Kim Novak, no auge de sua juventude, estava ali, bem pertinho de mim, mostrando seu belo e modelado rosto em um corpo escultural. Na minha ainda imaginação pude desconfiar que ela estivesse com uma vontade de beijar-me. Que tal beijo, portanto, viesse logo! A minha futura mulher também apareceu jovem e dócil e olhou-me com desdém, ensaiando um pequeno ciúme e unindo-se a mim naquele torvelinho repassado.

Foram áureos anos de felicidade que retornavam ao ponto mais íntimo de meu ser, assim como também os tempos no colégio, os padres sem as horríveis batinas compridas e pretas e conscientes de suas ações e lições às vezes (ou geralmente) oficialmente deturpadas. Exultei com a extinção da caretice e burrice de uma maneira geral, a instrução de todos como uma meta a se seguir. A hipocrisia e a falsidade cedendo lugar aos seus respectivos antônimos. Os gols que fiz nos célebres jogos colegiais e já anotados aqui. A volta das sessões inteligentes de cinema(ah, quanto me alegrou rever belos filmes que tinha perdido na memória). Os porres homéricos e quixotescos. A ligeira experiência com amigos na realização de um curta-metragem de oito milímetros que depois se perdeu no tempo e espaço. A transformação(pasmem!) dos políticos e homens públicos confessando os crimes de corrupção e sendo encarcerados para o bem de todos. Os mandatários maiores honrando as leis e doutrinas constitucionais. A fragilidade e conseqüente perda da força da grana. As prostitutas não mais profissionalizadas e reconhecidas como senhoras que vivem para um amor sem fronteiras. O período de minha infância e possíveis traquinices enjeitadas. E, claro, as meninas-moças de um período singular na minha vida. Lá estavam elas saindo como sereias vindas de um mar profundo. Ah, quão belas e meigas nos seus jeitinhos de quase mulher! Despontavam apetitosas como uma razão derradeira que nos levavam sempre ao amor entre os sexos opostos .

Enfim tudo mais que se acercou salutar, remoçado e justo. E, na nossa mortal e efêmera vida, os apetites e as paixões seriam imortalizados, rodeando o meu interior de um incontido e soberano devotamento. Todos se juntavam pela ordem de chegada e formavam um círculo de variadas cores e tonalidades. Todas as miudezas de um mundo de excrescências seriam eliminadas dali. A enorme circunferência, em um processo gradual, ia aumentando de proporções e agarrava-se em extensão ao antigo e imenso campo sem moradores. E daí eu fiquei espantado no meio da nova habitação e fui embebendo as etapas de minha vida.

Mas, puta-que-pariu!, puta-que-pariu! Abruptamente parece que acordara de um bonito e mágico pesadelo. Vi, então, com uma tristeza e quase chorando, que teria acontecido outra ilusão e decepção. Talvez a última de minha existência. Não resgataria mais o tal sonho? A magia desaparecera e eu continuava ali, olhando uma bonita lua que iluminava meus olhos. A lua de Gupiara. Era uma réstia de esperança a balançar um sombrio caminho. O marasmo e a realidade viventes tentavam se apossar de mim não fosse a presença soberba do satélite a invalidar outro desapontamento. Eram, portanto, neste instante, árvores secas que deixavam uma mancheia de folhas caírem em profusão a inundar o espaço perdido. Não vi mais nada, somente detive-me a olhar o indefinido trecho descampado. Aí gritei vocábulos desconexos, termos impublicáveis e alheios ao bom senso. E logo a seguir, num arroubo de inquietude e meio desesperado, sentenciei, balbuciando com amargura: assim a gente vai vivendo nesta vida morrendo.

Porém, entre uma ou outra indefinição, não sei se estava acordado ou se ainda desfrutava daquele momento onírico.

por benechaves às 10:39