perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, maio 13, 2006

Na postagem do dia 29 passado eu coloquei aqui, extraída do conto Ímpares e Pares, a história com a numeração ímpar. Hoje faço o mesmo, mas, claro, com a numeração de números pares. Inclusive com um título, como também o fiz da vez anterior. E voltando a esclarecer que não deu para juntá-las como no original. Espero que tenham uma boa leitura.


DUPLA OBSESSÃO


A moça levantou-se e foi abrir a janela. Um dia claro iluminou a cama desarrumada. Abriu a boca e ergueu os braços como se fizesse exercícios. Olhou pra trás e lá estava o homem deitado, morto. Junto aos dois uma pequena faca ensangüentada. Pegou-a, então, e foi lavar na pia, o sangue já coagulado na sua extensão. Pela veneziana via os primeiros passos na avenida. "Como vou ajeitar tudo isso?", interrogou-se, os olhos disparados para um canto e outro. Um medo subiu-lhe à espinha. Trepou na cama, empurrou o homem pro chão, tirou o lençol e enrolou-o, fazendo do mesmo um pequeno pacote. Abriu uma mala e colocou a sujeira dentro, limpando resquícios no assoalho. Com um pedaço de algodão molhado embebeu o beiral da madeira, passando depois uma lã enxuta. Tudo foi jogado na peça retangular. Sim, levara-o para uma noite de amor. E feito o que desejara, não lhe interessaria o tal sujeito. Agora tinha nojo da tocha de sangue. Apossara-se enquanto diligente, acalorado.
Em outra ocasião, conseguiu, desta feita, um rapaz feioso. No quarto cochichou-lhe amorosa, dando-lhe apetite. A faca pendurada nos peitos. Desvencilhou-se das vestes e dormiu irrequieta: o corpo perfurado, um rio vermelho a correr o lastro da cama. Num instante cinco cutucadas, ai, ai, o que é isso, não, você vai... E o pescoço pendeu estendido, os olhos arregalados causando pavor. A frieza na suspirada cara. Não esmoreceu, levantou-se e a operação se repetia... Saiu refeita e vagarosa pelas escadas.
Um dia, porém, não levou muita sorte: desconfiaram. Entrou com outro parceiro e quando menos se descuidou, upa!, pra que esta faquinha aqui, vai cortar alguma carne?, a jovem mulher a empalidecer com as mãos geladas.
- O que foi, tá sentindo alguma coisa?
- Né nada não, um mal-estar, talvez a comida...
- Você ouviu falar nuns crimes por aí?
- Deix'isso pra lá, senta aqui...
Os dois em um diálogo tenso e ela parecendo doida-doida pra matá-lo, não vendo a hora e quase chegando ao desespero, sua gana adquirindo proporções. Aquilo já era uma tara! Ficou calada e apenas se remexeu, talvez ele se distraísse e ela tivesse êxito. Tirou o sutiã e começou a amassar-se, ele desviado nos homicídios. Sentiu uma mistura de medo e prazer da mulher ali, deitada e completamente nua. Parecia traquejada em suas diabruras. Levantou-se e puxou a faca pra sua cabeceira, enquanto a jovem cada vez mais o excitava. Vestiu a calça e a camisa, ficando diante de um belo corpo nu. A mesma a disfarçar-se o mais que podia, dizendo, como é cara, você não vem, vou ficar esperando, é? E tentou puxá-lo para si.
Pensou antes de tomar uma iniciativa e logo disse:
- Você tá presa, pode se vestir e me acompanhar.
- Por quê?, ela inquietando-se com sofreguidão.
- Sou detetive e a madame terá de ser interrogada.
- Que é isso, o senhor não pode me acusar assim...
- Suspeita, minha filha, suspeita. Vamos!
Pegou-a pelo braço e a arrastou pra fora, ela a olhá-lo com um ódio de uma maníaca qualquer, sabendo que gostava de ir pra cama com os homens e depois... Disse dissimulando que apenas queria fazer amor, mas engasgou-se, como se tivesse engolido a própria faca dos delitos. Saíram na direção da delegacia e numa ponte próxima a prostituta deu uma guinada e jogou-se no fundo do rio. Depois de um corre-corre desesperado o homem atravessou o lado da velha construção e abeirou-se: não viu nada. A mulher desaparecera. Ele, então, se frustrou.
Dias depois pequenos pedaços de um corpo foram encontrados por moleques que brincavam nos rochedos.

por benechaves às 10:36