perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, maio 20, 2006

EPÍLOGO (I)


Na esperança de ainda acreditar no ser humano, achava-me, ali, a relembrar todas as passagens de minha vida. Os poucos momentos sublimes e as muitas dificuldades que se sucederam e se sucediam. Já se sabia, mas volto a informar, que Gupiara tinha sido invadida também de um estrangeirismo que lhe era prejudicial. E a mediocridade de atitudes de tal natureza atentava contra os seus bons costumes. Além, claro, da sagaz vilania de mandatários calejados no vício da corrupção. E, como conseqüência natural, tornara-se uma metrópole indiferente, desestruturada, distante de uma meta social inerente à preceituada constituição. Portanto, o tão decantado, desencantado e ávido progresso a fizeram assim, daí sobrevindo a falta de uma melhor distribuição em todos os setores, inclusive e evidente, os essenciais para uma boa sobrevivência. Lógico que a maior população continuava miserável, se devendo a tal fato o favorecimento e má administração dos que seriam eleitos por um povo carente e sem aprendizado. Enquanto uma pequena parcela nada sofria (incluindo-se aí os políticos de uma maneira quase geral) e ambicionava cada vez mais, a classe intermediária servia apenas para cobrir os desmandos da opulência minoritária. Sei que sempre existiu - e como ainda existe! - um diminuto grupo doloso, corrompido, que dita normas sobrepondo-se àqueles habitantes sacrificados. Eram sinais de uma mudança prometida e nunca efetuada. Seriam os males remanescentes do ser (dito) humano?

E na varanda, olhando para uma bela lua que surgia sob os morros de Gupiara, debruçando-me em um acolhedor assento, vi também uma bela paisagem. Acho que já tinha adormecido, não sei bem... Mas, uma infinita pintura denunciando algo de inusitado e parecendo voltar no tempo e espaço se fez presente. Depois de um barulho que irrompeu nos arredores e que atingiu ouvidos distantes, vi-me na iminência de uma transformação, uma doce e feliz transformação. Surgi, então, na infância, correndo no chão frio de minha imaginação. Que belo tempo! Que adorável fase da ilusão e magia! Revi também a pré-adolescência e em primeiro lugar ergueu-se a primeira namorada, a Alba, lembram-se dela? Ah, aquele seu shortzinho de carnaval a despertar minha libido em exatos e inocentes quatorze anos! A gostosa morena que foi objeto de meus primeiros sentimentos. Depois todas as pessoas queridas foram se revelando junto de mim: o meu primo, que infelizmente foi embora tão cedo, o meu companheiro de andanças namoradeiras e que se encantou para o mistério, talvez o vazio. Que saudades! E apareceu junto com a Mirtô, a encantadora loira de seus sonhos e paixões. Não sei se a sua outrora namorada também se foi, ninguém nunca fica sabendo destas intempestividades da vida. Despontou logo em seguida outro amor de minha fase juvenil: a Gracita, nos seus ainda treze aninhos. Talvez tentasse vivenciar o despertar de uma futura e bonita mulher. Insinuou desculpar-se da intriga que fizeram quando terminou um namoro que poderia ter sido auspicioso. Aproveitou e mostrou os versos que trocamos na ocasião, versos briosos e inquietantes para nossa idade. Soninha surgiu alegre e feliz, tinha conseguido o seu intento, ou seja, a almejada melhoria do povo da cidade pra onde fora. E depois vislumbrei a Rosilda, ah, que bela jovem! Saía de dentro do mar e no majestoso e transparente maiô amarelo revelava as formas de um corpo quase nu.

Fui, portanto, recebendo-os e os agasalhando para o lugar onde eu estava, não sabia onde, parecendo um invulgar vilarejo diante de um mar profundo. E na quietude de uma noite de estrelas a formar gotículas no espaço, me sobressaltei diante de tantas imagens lindas.

por benechaves às 15:54