perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, abril 08, 2006


MONÓLOGOS IMPERTINENTES (II)


Ei, você fica aí numa inquietação louca quando acaba bota culpa em cima de mim, né? Tá certo que eu não sou lá tão bom, isso reconheço, mas você não pode se queixar. Demais você deve saber que eu já tive tempo melhor. E essas coisas são assim mesmo, vão e voltam. Ainda por cima esse menino aí atrapalhando e sem querer comer. Dá umas palmadas nele mulher, que menino só cresce macho quando apanha pequeno. Senão fica num dengo de lascar e quando tiver grande começa naqueles desejos... Eu sabia que você era uma mulherzinha muito malandra, brigava sempre comigo, lembra daquela discussão passada que você endoidou? Pois é, aquilo ainda tá atravessado na minha garganta e não consigo engolir. Você não se acanha disso mulher? Eu tão inocentinho e você trocando minhas roupas, vestindo cueca e tudo, chegando até a me banhar, alisando meu corpo e também meu pênis e coisa e tal. Beijava o meu pescoço, bem aqui no gogó, eu sem manjar nada, ainda em crescimento e você se aproveitando de mim, não era? Chegou a insistir tanto que tive de ceder, também não sou de ferro, não ia correr da raia, claro que gostei daquela sensação gostosa correndo em meu corpo. E depois botou a culpa em cima de mim, não foi verdade, sua puta, rapariga sem nome e dono? Esse tempo todo e agora que vim saber de tudo, depois que você largou lá de casa e deixou meus pais na mão. E ainda implorou que alugasse um quarto pra cuidar do menino. Também trepar de vez em quando, né? Você adora ficar deitada numa cama e foder o dia todo, não é mesmo? Pois aí tem tudo, cama, mesa, cadeira, não venha mais chatear minha paciência, ouviu? E vê se cala a boca deste pirralho, não deixa a gente nem falar... Ora bolas! Fecha o bico menino! Sei que você fingiu tudo, mas fiquei sem saber se ia ou não ia. Numa atrapalhação medonha, puxa-vida! Parece que não foi criada venho homem, eu, hein? Depois aquela confusão dos diabos quando meus pais descobriram sua barriga já volumosa, lembra? Você apertava, apertava, eu vendo a hora estourar tudo. Chegou, inclusive, a botar um prato na frente pra ninguém perceber, arriscado até a criança nascer doente. Mas, essas coisas não têm jeito, crescem que é uma beleza. E eu aí me danava a rir, rir, vendo sua cara de santinha do pau oco, putinha mansa, sonsa, tratante... Pois é, quem faz aqui paga aqui mesmo, descarada que você era, achava e não achava. Ahn!... Não se admire de me vê assim, apenas estou pagando na mesma moeda. Agora você tem que cuidar bem desse menino, ele não tem culpa nenhuma do seu erro, de sua vadiagem. Quero que ele cresça um menino de vergonha e respeito. É por isto que estou aqui, apenas por ele. Pra todos depois poderem dizer: benza-te Deus! Ouviu só? Somente pelo meu filho.

"Acho que já vou, não suporto esta criança chorando sem fim, malcriada, boa de levar uma surra. Se não fosse esta mulher ter mentido... Não merece mesmo respeito, estou por aqui, oh... Não que não seja boazuda, gostosa, isso ela sabe ser, deitada numa cama não tem igual. Até que antes e depois do filho ela se ajeitou, também pudera!, com todo o bucho por acolá, parecia mais um canguru. Aqui pra nós, acho que, inclusive, ela se portou boazinha pra mim. Lógico que não vou dizer, ela não vai saber nunca, Deus me livre, a gente tem de agüentar na sela e não cair feito um sem-vergonha qualquer. E também ela deve ter aprontado lá das suas... Ora se! Ruinzinha!, safadinha! Vivia aí sem dinheiro, passando necessidade, não tinha nada pra comer, se não fosse eu... E quando acaba fica elogiando os idiotas que não lhe davam nada. Eu sei muito bem o que é que davam... A gente tem de ter sentimento mulher! Era só o que faltava! Digo o que não digo, sem pressa, confusão".

ESPAÇO LIVRE


OFÍCIO

Para Anchieta Fernandes


O dicionário está no cio

louco para divulgar a

invulgar lavra de sua

nobre e bela palavra.

Ele reverte e verte seu

gigante saber no dever

e ver de cada sábio ser.

Bené Chaves

por benechaves às 19:12