perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, abril 22, 2006

GUPIARA DE MEUS AMORES

Deste modo, me acostumando com o que de belo e humilde a vida apresentou, passei minha fase de menino, um período infantil em que desprezei também e tentei obscurecer os fatos inúteis e atos que viessem embaraçar minhas opiniões. Cresci, obviamente, com obstinado interesse e uma razão maior para o lado bom e inteligente da vida, odiando, desde cedo, portanto, a hipocrisia e aparência enganosas, isto é, aquelas pessoas que na presença do interlocutor agiam de um jeito e na sua ausência comportavam-se de feitio inverso. Inclusive detestando o pior de tudo, a convivência, sob um manto falso, de uma existência de exterioridade. E fiquei sabendo que os seres humanos valiam em excesso pelo que tinham dentro de si e não pelo invólucro exibido. Portanto, aprendi que uma mente razoável seria o ponto fundamental para uma familiaridade sadia. O cerne não se limitando àquela fachada porque ela serviria apenas para encobrir algo de muito feio, que seria o natural esqueleto.

Talvez as questiúnculas mencionadas aqui se devessem ao fato de eu ter nascido e advindo, modéstia à parte, de caracteres hereditários saudáveis, daquela junção de corpos dos ascendentes e que predominou, sobreveio e sobreviveu uma célula móvel de sinal peculiar incomum. Ou, então, adquirido através de uma sensibilidade enquanto jovem (ou criança) a perceber a imprudência de outrem. Era minha vida, foi minha vida, é ainda minha maneira de viver. Suponho que assim será até a derradeira fase, o semblante de um encantamento escuro e definitivo.

Lembrei-me de tudo isso com lágrimas nos olhos, sabendo que nada me faria voltar àqueles tempos da infância ou mesmo adolescência. Das minhas brincadeiras e dos meus afetos, das meninas-moças que davam um sentido maior ao relacionamento natural entre um homem e uma mulher. Lembrei-me também da ida de Painhô para a eternidade, de como se deu aquele sofrido desenlace para Mainhô e todos nós. Lembrei-me, lá no começo, da Tia Chica, a preta velha que cozinhava com mãos de ouro. Tudo repassou como um relâmpago, uma faísca de destino ignorado. O rumo em sentido ao misterioso e insondável era irreversível. A não clareza imposta pelo cíclico ciclo da vida me fez entristecer. Dali iriam restar apenas as ilusões que tive do existir, de um exacerbado desejo de querer que o tempo parasse e eu pudesse ajeitar melhor sua continuidade. Mas, estava ali pensando na minha cidade antes querida, antes de um progresso perverso que só a fez insensível. Antes de governantes corruptos, antes de um povo cada dia mais carente. E não sabendo até quando encharcar as inquietudes ao longo da mesma. Ao longo de uma Gupiara que me fez viver um período de suposta felicidade, a época da inocência.

Desperto e estimulado pelo que fiz desde meus primeiros passos, desde que Painhô conheceu minha mãe e juntos me colocaram no mundo, pude avaliar os sabores e dissabores de uma pacata ou atormentada existência. A vida de todos nós. A vida em uma cidade que me viu crescer. E que me fez pressentir também o desejo de não sair do ventre de Mainhô, de ficar lá para sempre. E, claro, não ter visto uma Gupiara em constante metamorfose, em evidentes desacordos para um simples e belo existir. Acordo para uma inteligência maior, um não poder de persuasão em fazê-la apática e medíocre. Para não vê-la desencantasse ao nosso prazer no olhar. Porém, se não consegui a cobiça almejada, lutei contra a intolerância de um tempo ingrato, mesclando-se também com a insensatez de alguns seres (ditos) humanos. E me senti um pouco feliz em fazer aflorar um sentimento passado e acolhido.

ESPAÇO LIVRE



FUTURANÇA


A mediocridade
floreia
campeia
titubeia
vagueia
esteia
renteia
pesteia
receia.

E quando
rosas
abrirão
inteligências?

Bené Chaves

por benechaves às 16:37