perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, abril 01, 2006

AINDA SOBRE A INFÂNCIA



Antes de o lastimável progresso chegar a Gupiara tive, portanto, a oportunidade de vê-la como a queria ou a imaginava, isto é, talvez desligada de compromissos pisados e repisados, danosas atribulações passadas ou repassadas, rarefeitas e depois feitas. E sentira, evidentemente, uma imensa saudade das paixões que tivera, quase todas perdidas no transcurso daquela minha vidinha de jovem meio buliçoso. Porque em um razoável espaço de tempo eu pude desfrutar de raras beldades numa Gupiara também de amores distintos. Acreditando, contudo, que a felicidade nunca seria eterna restou-me aproveitar os bons períodos desde meu nascimento, um fluir ou refluir vivedouro ou não. Mas, aquela excitação ia aos poucos desaparecendo. E numa breve época depois ela mixaria, passando eu a saborear, apenas, as inquietudes sobressalentes de uma existência.

Durante a fase em que me senti farto pude avaliar o quanto à própria cidade também o era, pois a vi crescer e nascer em uma suposta ingenuidade. E em toda uma plenitude de uma cidade voltada aos interesses maiores da comunidade. Ainda na infância ia com Painhô me deliciar com o despontar de mais um dia, quando madrugávamos à procura do sol que surgia soberano detrás dos morros. Era de uma visão belíssima aquela exterioridade aos nossos sensíveis olhos. Ficávamos encantados com portentoso astro clareando a vida nossa de cada dia. E, particularmente, eu já me sentia reconfortado diante da magnitude escalada. O meu lado infantil afrontava com o adulto de meu progenitor e os dois fecundavam somente em um, que seria a parte oposta do infortúnio.

Dia seguinte fazíamos o itinerário inverso, ou seja, íamos ver o nascimento da lua. E em frente ao satélite da terra, quase ele tocando na minha cabeça e na de Painhô, tínhamos uma espécie de êxtase: a beleza do reflexo da luz solar recebendo os raios lunares reproduzidos. Era a chamada lua cheia, em oposição, claro, ao período da fase escura, que seria a lua nova. Meu pai me ensinou, entre outras experiências, que ainda existiam duas fases distintas: a lua minguante e a crescente. Didaticamente aprendia, ouvia e apreendia, ficando maravilhado com tais passagens cósmicas e ensinamentos de vida. E exclamava peremptório: estamos diante de uma noite purificada!

Lembrei-me também da política (ah, a enganosa política) e o quanto ela era menos maliciosa. Não sei, talvez acreditasse que a cidade ainda engatinhava... Mas, de qualquer maneira, fiquei convencido de que Gupiara vivera dias de menor infelicidade na época de minha infância ou mesmo adolescência. Talvez o ser humano não fosse tão escravo do dinheiro e de seu arbítrio. E sobre o ímpeto de falar em eleições livres, sabia desde cedo que tudo não passava de um engodo. Acho que foi outra lição de Painhô me fazendo conhecer o quanto havia de corrupção nesses caminhos. O poderio econômico falava bem mais alto do que qualquer sentimento de amor e afeto pelo semelhante. Os políticos eram uma farsa. A fantasia da liberdade e a condição primeira de tentar enganar um povo sem vez e voz, sem decisão correta. E os cinismos acrescidos da força da grana dos que manipulavam com o poder. Tenho, acredito, plena convicção de que nenhum governante governa para o povo. Vivemos em uma terra de belas paisagens naturais, uma terra de uma riqueza singular, linda, mas com uma população alarmante vivendo na miséria. E isso para mim seria outra ilusão, uma dolorida ilusão.


ESPAÇO LIVRE

No dia 15 passado a poeta pernambucana Márcia Maia (tábua de mares e mudança de ventos) lançou aqui em Natal o seu livro Em queda livre. Estive presente ao evento. E apanhei um poema para compartilhar hoje com todos vocês:

roteiro adaptado


da janela
te espio a espiar-me
te espiar
ir e vir de olhares e
espelhos
(potência de lentes)
teia que nos ata.


por um instante
distraio-me
e tu
(abandonada a lente)
de mim te aproximas
sorrateiro
rasgando teia e roteiro

e me matas.

por benechaves às 11:21