perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



domingo, março 12, 2006


O dia 30 de maio (04 dias após o meu aniversário) de 1984 foi muito triste para mim. Perdia naquela manhã o meu pai. O meu Painhô que tantas vezes descrevi aqui nos textos. Fui ainda visitá-lo na Unidade de Terapia Intensiva, mas encontrei-o coberto de fios elétricos pelo corpo inteiro. Ele não via ou ouvia mais nada, não sei. Fiquei paralisado alguns minutos e saí sem esperança alguma. Chorei, chorei muito. Poucas horas depois aconteceu o seu encantamento. O relato a seguir saiu publicado na Tribuna do Norte em 29 de julho do mesmo ano. Espero que todos tenham uma boa leitura.

VIDA À MORTE


Casualmente o viu pela última vez antes de descer o patamar e se dirigir ao consultório médico. Houve um pequeno diálogo de palavras atenciosas naquele rápido encontro. Depois o homem também saiu para suas tarefas rotineiras, ficando no ar um clarão do derradeiro momento em que passaram um pelo outro. E, quando chegou de - noitinha, avisaram que ele, o senhor bondoso e humilde, visto por acaso no começo daquela tarde, sentira-se mal na ante-sala da médica que já o examinara. Depois de um eletrocardiograma em que tudo estava bem ele tivera uma tontura e desfalecera nos braços da profissional.
Fora avisado do acontecido e voou ao lugar indicado. Embora detestasse hospitais, teve de entrar no mesmo. Ficou ainda mais nervoso quando viu um punhado de gente, algumas pessoas chorando, outras simplesmente conversando, adiante terceiros discutindo assuntos alheios. Teve receio, seu corpo tremulou quando soube que se tratava de um caso sério.
Horas e horas se seguiram de angústia e desespero ao se confrontar (e, claro, todos que também se encontravam no local) com a triste realidade. Então vieram notícias sombrias e desenganadoras, metralharam enfim o infeliz anúncio: - O coração não suportou, está morto!
É evidente que naquele momento se acabara mais uma existência, uma singular existência. Seria, porém, verdade o que diziam? Morto? Ou estaria apenas sonhando? Ninguém acreditou na voz rouca e cortante. Houve um burburinho no suposto silencioso hospital...
Era um dia de uma manhã normal, nuvens cobriam pouco a pouco um céu meio azulado, de cor infinda. O irritado cidadão não dormiu naquela noite, somente ficou a chorar não acreditando ainda no irreversível fato e ato. Pensou que talvez pudesse estar vivendo um sonho de olhos abertos. E a vida pareceria ser uma verdadeira utopia, não passava mesmo de um ato violento. Desde o momento da feitura de um ser humano. O prazer vivenciado no instante era delicioso, óbvio, nada se comparava àquele deslumbramento. E quando nascia dali uma vida de raras alegrias e muitos problemas ou tristezas, os culpados éramos todos nós.
Argumentou que o desaparecimento súbito ou não de um ente querido também era outro tipo de brutalidade, fazendo-o, então, entristecer-se de tais ocasiões. E concordou quando um amigo comentou que a morte seria como uma porrada na cara. Ou no estômago. Todos teriam, mais cedo ou mais tarde, de enfrentar o nefasto episódio. Era apenas uma questão de tempo e sorte. Ou azar. Então, sentiu-se impotente diante de atos impiedosos e desprezíveis, de um verdadeiro conjunto de conseqüências danosas.
Achou, inclusive, que houve displicência no atendimento médico, essas coisas de aparelhos adequados em locais certos, etc., etc. Pra se ter uma leve idéia não existia um balão de oxigênio no consultório, daí todo o embaraço. Contudo, nosso coração é mesmo traiçoeiro, dizia para si, parece uma máquina a enferrujar-se com o tempo. Nada o detém. E tudo agora era tarde, não adiantavam lamentações, disso sabia e repetia. O inevitável estava ali.
O interlocutor falava, andava, procurava um meio de fazer vogar sua inútil luta contra a morte, se juntava a multidão, gritava que vivia num mundo de farsas, de expressões idiomáticas (e também, algumas vezes, idiotas), de malevolências. Desejava uma vivência eterna, terna, aqui na terra, uma vida sem crueldades, ambições inescrupulosas, desprazeres quase irrestritos, um mundo justo. Um mundo onde o Bem sempre superasse o Mal. Embora soubesse que desde os primórdios as coisas já tivessem nascidas erradas, trejeitadas e traspassadas de fanatismos e cobiças. Nada se criou de saudável.
Lógico que há de se convir que aquele cidadão quisesse uma bela existência para todos, talvez uma luta ineficaz, porque se sabia relacionada a uma indeterminável ação vivente. Andou um tanto pela rua deserta, queria ficar sozinho, pensar em algo que pudesse condicionar seus argumentos. E tudo parecia ser em vão, estaria ele perdido nas trevas. Então desabafou: putavida!
Mas, os fatos relatados na sabedoria que lhe era peculiar, na certa se orientariam para se amoldarem aos preceitos do inelutável cidadão. Sofria ele com as mazelas dessa ignóbil vida que não aceitava. Pra que desgraça maior? Ficavam somente os resíduos espalhados no turbulento cotidiano. A morte estava ali, se defrontando e se insurgindo contra todos os presentes ou ausentes. Ela se tornara dona absoluta de nós.
Embora o tempo estivesse normal uma tempestade invadiu lá fora, razão pela qual fez o ilustre homem acordar de um pesadelo. Ou melhor, aceitá-lo com raiva na sua impactante e brutal realidade. Copiou, então, uma idéia genial. E como no melhor da ficção, imitando o bom filme Superman, de Richard Donner, deu vários vôos ao redor da terra e a fez retroceder alguns anos. Era a arte querendo talvez modificar a vida. Conseguiu, com isso, juntar, não somente seu pai, mas, também, os entes queridos. E, então, todos surgiram a cantar e encantar como nos velhos tempos. Seria a sua renúncia dali em diante...
Continuemos neste delírio?

Bené Chaves




por benechaves às 09:18