perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



domingo, março 19, 2006

NOS TEMPOS DA INFÂNCIA

Na Gupiara de minha infância não tive maiores problemas, acredito que os obstáculos foram transpostos com serenidade e dentro do que se esperava acontecer. Como sucedia, claro, com a maioria das boas famílias de então. Supus ter iniciado os primeiros passos com menos de um ano e nos meses indicados feitos os desjejuns necessários com o leite materno. Lembram-se do que dizia a parteira? Aquele ali vai ser um menino de belo porte, falava a mesma para os curiosos de plantão. Se tive uma criação com carinho não sei bem, mas tudo levou a crer que não reclamara ou objetara . Dissera, inclusive, que preferiria não ter sido gerado. Mas, como já tinha nascido que me deixasse ser conduzido. E a rima surgia aí como uma primeira instância do momento. Dali poderia sair, quem sabe, um grande futuro. Ou, então, um enorme fracasso. O prosseguimento das facetas que teriam a possibilidade de sobrevir, ser-me-ia, talvez, o ponto fundamental a determinar o elo de minha existência. Deveriam caber, sobretudo, as dúvidas quanto a um pior ou melhor relacionamento com todos. E, partindo dessa premissa, poder eu dimensionar, desde cedo, as diretrizes do modo de ser ou viver, sabendo-se de minha inclinação para tentar modificar conjunturas estranhas e simuladas.

Lembrava, embora longinquamente e com uma visão dificultada, como fora aqueles dias infantis na casa de Painhô e Mainhô, como a tranqüila Gupiara despertava os desejos dos que diziam amá-la. Era uma cidade larga, de ruas esboçadas, contínuas e abertas, as avenidas contornadas de belas e frondosas árvores. Nos canteiros não se viam pedintes menores e nem famílias flageladas, seus traços seriam demarcados e perfilavam-se com harmonia. Numa imaginação culinária diria que se podia degustá-la com facilidade e sem o medo de algum engasgo. E saber, em conseqüência e de antemão, que sua índole e sabor não iriam fazer mal a nenhum de seus habitantes. Como não existia, ainda, a possibilidade de poluição e asfixia, presumia-se que a fumaça saísse timidamente do seu miolo e não indicasse uma futura e imprevisível feiúra. E a não agitada população parecia feliz com tudo, mesmo porque sentia um início e rasgo de esperança. Seria uma suposta alegria o princípio daquela suposta pacata cidade. Um esboço sem mistura... Também sem insensibilidade.

Mas, nem só de contentamento se deve enfrentar a razão da existência. O prazer e deleite seriam certamente efêmeros. E as dificuldades iriam aparecendo quase duradouras, em proporções que chegavam a assustar a maioria. Disso tínhamos consciência, batidas que foram as teclas várias vezes. Além do mais, o próprio condicionamento humano trazia resultados infelizes porque se eximia com irresponsabilidade dos deveres que lhes eram peculiares. Diante da plêiade de circunstâncias eu crescia. E também crescia Gupiara. No mesmo período que vi suas feições mudarem não me dei conta das transformações que iam ocorrendo, daí causando uma surpresa quando a presenciei inchar-se aos poucos. Diria que, num quase piscar de olhos, exagerando, estaria a cidade ficando presunçosa e alheia aos interesses que tanto desejei. A rivalidade ia cercando os seus encantos de outrora, deixando-a com um pronunciado e ambicioso preço.

ESPAÇO LIVRE
Mais uma vez a presença do amigo e poeta Eduardo Gosson. O seu livro 'Poemas das Impossibilidades' deve sair ainda neste semestre. Vamos lê-lo, portanto:




CANÇÃO DESESPERADA DO LÍBANO



Bombas explodem
no Líbano
matando a Vida

Crianças já não
pastoreiam...
não se pode colher
lindas maçãs
nem ouvir
o sussurro
dos ventos que sopram
do deserto

Os vinhedos
secaram
A voz do poeta
Kalil Gibran
emudeceu

Bombas explodem
no Líbano...








por benechaves às 12:00