perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



domingo, março 26, 2006


MONÓLOGOS IMPERTINENTES


Pra começo de conversa vá pra ponte que caiu, pra não revelar ditado pior. E faça o favor de me deixar sossegada. Que cara mais chato... Fica o tempo todo importunando a gente e ainda por cima quer ter razão. Ora bolas! Não estou aqui pra agüentar chateação de ninguém, ouviu? E vê se sai daí, senão chamo seu pai e ele resolve isso agora. Demais fiquei muito aborrecida com o que aconteceu trasantontem, lembra-se? É... Mas me lembro bem e não pense que vou esquecer assim de um momento pra outro não. Vai ficar aqui, oh, guardadinho na minha cachola. Você pensa que a gente é doida e deixa passar suas maluquices sem quê nem mais, não é mesmo? Está muito enganado... Hein? Taqui pra você! E não adianta ficar imaginado mil e uma coisa. Sei que todos irão dar razão a mim. Cabrinha mais besta! Fica aí com suas travessuras e não assume nada, a gente é que paga o pato, né? Onde já se viu... Deixe-me dizer a sua mãe, sei que ela dará um bom carão em você, meninão do rosto esburacado e branco que nem lesma. Então quero ver você estrebuchar, ora se quero! Você sabe que não gosto de mexer com os outros. E por que toda essa arenga comigo? O que eu fiz? Diga, se tiver coragem. Quando acaba fica se fazendo de bicho danado. Hum! Hum! Quer saber de uma coisa? Até que ia dar um presente no seu aniversário. Mas, depois de tudo isso... Oh!, jamais, jamais. Tanto que gostava de você, lembra? Quando era pequenininho eu o levava pra passear na praça, no parque de diversão, a roda-gigante e o trenzinho fantasma, você, oh, todo elegante, de óculos escuros, parecia até gente. E chegava a me beijar pra que eu fosse, lembra disso? Só gostava mesmo de comer bagana, essas coisas desse tipo. Era um dia feliz pra todos nós e eu ficava radiante. Pois é: agora você me dá o troco. Tem nada não, a vida é assim... Um dia atrás do outro e uma noite no meio, uma alegria, uma tristeza, outra surpresa e decepção. Fiquei desgostosa de tudo, não imaginava tal reviravolta, pelo que fiz ou não fiz. Lembro que sua mãe dizia que você gostava de mim pra burro. E seu pai, ah!, nem se fala... Todos me queriam bem. E claro que retribuía suas afeições. Agora você me vem com essa... Estou farta e acho que arrumarei minhas malas e vou embora. Demais, não precisa chorar, viu? Seu fingido! Não foi o único culpado? Tire sua cara de menino velho de cima de mim!

"Não quero ir embora não, até que gostei do que ele fez comigo. Mas a gente não pode dar assim o braço a torcer, não é mesmo? Senão fica tudo muito feio, a gente tem de aparentar não estar gostando, sabe... Como quem ama e não ama. Tenho meu orgulho também. Sei que fui chata com ele, o pobrezinho não merecia, não queria e eu ali insistindo, insistindo, feito gato em cima de gata, que situação triste aquela. Essa vida é mesmo lascada! Lógico que o vi nascer, fui eu mesma quem trocou sua roupa, toda bonitinha, olhe meu filho, esta aqui está melhor, fica mais bonitinho, uma coisinha fofa de verdade. E agradava, agradava, limpava, inclusive, o seu pênis branquinho, meio duro ainda, como quem não quer querendo. Como era gostoso vê-lo nuinho sem pêlo, quando ia dormir ficava tesa, olhando algo, ai, ai... Depois o melaço escorrendo pelas pernas, minha nossa-senhora! É nisso o que dá: está vendo, não agüentei e foi um corre - corre de louco, puf!, puf!... Concordo que era uma quenga, gostava por demais de sexo, ficava em uma quentura dos diabos, imaginando a delícia de um pau entre minhas pernas. Porém, depois, com o passar dos tempos, fui me endireitando, hoje sou uma mulher - pode-se dizer - respeitada, não sou mais uma não sei o quê, uma zinha qualquer, estou agora na minha vidinha limpa e pronto. Acho que mereço o perdão, sei lá... Vou ficar calada pra ver a reação dele".

ESPAÇO LIVRE

A minha amiga Fabiana Lamego, do blogue
http://reflexoesdevida.blogspot.com/, mandou-me um poema de sua autoria. Compartilho com vocês, então, o texto da amiga:

VIDAS...

Se pudesses desnudar
os véus íntimos do meu ser...
verias tua imagem
refletida nas vidas
que passeamos gêmeos
sem nunca nos alcançarmos.
Verias minhas esperanças
sempre vãs de dizer-te que te amo
naqueles dias azuis.
Se pudesses penetrar minha alma
verias quantas existências
tecidas de amor cristalino
nas quais construí
meus sonhos e meus castelos.

Só para imortalizar-te
eterno, renascendo
e me fazer feliz!









por benechaves às 08:31