perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



segunda-feira, fevereiro 13, 2006

UM ALUMBRAMENTO ESPECIAL


Nesse período de vida era gostoso morar em Gupiara, já que a mesma ainda estava imberbe e seus mandatários não tinham, por enquanto, vale ressaltar, a ganância nela e dela como uma metrópole. Ou, então, a gente, talvez, dentro de uma visão natural e ingênua não enxergasse se havia alguma estranheza qualquer. Quem sabe estivessem programando algo para o futuro? Mas, de todo modo, Gupiara era pacata e nós gostávamos do seu jeito de ser. Podia-se, o que era melhor, ir para o lugar que se quisesse sem sermos importunados. Nesta linhagem ela oferecia uma total despreocupação quanto a assaltos ou roubos. E era uma particularidade que se fazia notar. Lógico que eu adorava aqueles momentos vividos na intimidade da mesma. Não deixava de ser também um agrado poder respirar o ar quase puro da cidade.

Como morava em frente a um cinema tinha a facilidade de assistir bons e ruins filmes, ainda menino de calça curta a me deleitar nas incertezas de uma existência. Nasci e cresci praticamente nos arredores e circunvizinhanças do prédio onde se alojava o cine Rio Grande, hoje apenas um monstrengo a me deixar saudade toda vez que passo pela sua larga calçada. Dentro do mesmo deve atualmente habitar insetos e teias de aranha numa promiscuidade sem limites, as suas cadeiras desconfortáveis empanturradas de dejetos. Quase sempre estava lá na sala de projeções procurando inteirar-me dos assuntos cinematográficos, aprender e apreender os labirintos daquela nova arte para mim. E algo que dali surgisse. Lembro-me, então, como parte ilustrativa, de um excêntrico filme: a temática girava em torno de mulheres sendo exploradas no serviço árduo da colheita do algodão. E quando um jovem chegava e literalmente transformava o lugar, a atriz em questão, Kim Novak (e não poderia ser outra, claro), apaixonava-se pelo desconhecido. E logo ele se juntava ao trabalho de cunho social ali desenvolvido, o único varão na recente empreitada.

Porém, o mais surpreendente, contudo, fora a maneira como vi tal fita. Não sei a razão, mas a mesma tinha cores diversas, ou seja, uma bonita fotografia em preto-e-branco e uma bela visão colorida. Enquanto as mulheres suavam no trabalho diário (e aí a atriz surgia em todo seu esplendor, com um vestido colado no corpo a delinear com extremo apetite o formato do mesmo), o filme aparecia em preto-e-branco. E quando o nômade jovem surgia encantando o velho vilarejo, inclusive, e com toda certeza, a bela atriz, um bonito colorido invadia a telona. Não sei... Acredito que a divisão de cores chocou os menos avisados. Pareciam ser instantes de um delírio meio surrealista. No final, tudo saiu a contento. O embate corajoso do sexo feminino e do problema social unido à forte paixão dos dois personagens.

As únicas novidades do inusitado filme ficaram mesmo na fotografia já mencionada e na disposição (e que disposição!) da belíssima mulher. Dois feitos pomposos para os espectadores da época, espantados que ficaram com tais mesclagens. E na beleza singular de nossa heroína o que me interessou foram as partes físicas da mesma. Ah!, aquelas pernas e coxas... O delgado rosto à minha frente... Nunca iria esquecer. Pude, por conseguinte, imaginá-la em detalhes e intimidades porque tivera este sonho quando decidira ir ao cinema próximo de minha casa a arremessar-me na poltrona enfadado dos estudos na noite anterior. Então, quando acordei, atabalhoado, me vi sozinho no recinto contemplando uma grande tela com suas cortinas já fechadas. E fiquei triste diante de uma realidade em contraposição com a imagem lúdica de um alumbramento.

ESPAÇO LIVRE

C
ompartilho hoje de um poema do Eduardo Gosson (agitador cultural e responsável por um 'sarau poético' numa das livrarias da cidade), que lançará brevemente o livro Poemas das Impossibilidades. Ei-lo, portanto:


Do poema (I)

Poema
- antipoema

Do poema (II)

O poema não poderá anunciar-se
mataram
a aurora
o amor
e os anjos caídos
- hoje o poema se exila!

por benechaves às 11:32