perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



segunda-feira, fevereiro 06, 2006

A PAIXÃO PLATÔNICA


Quando namorava Alba (lembram-se dela, com aquele short curtinho, a despertar meus desejos inibidos, em plena efervescência de um passado de glórias em Gupiara?), ainda numa talvez pré-adolescência, meus quatorze anos e minha inquietude a todo vapor, apaixonei-me também pela bela atriz Kim Novak. E a razão disso tudo foi ter ido assistir Férias de Amor, quando, então, fiquei encantado com sua beleza. Aliás, eu serei sempre encantado com a formosura de uma mulher, pois, com certeza, ela despertará deslumbramento numa primeira visão. Portanto, foi o que me aconteceu. Paralelamente tinha duas beldades distintas naquele início e mesmo fim de uma puberdade. Um amor platônico, uma inexperiência de uma vida, bobo ainda que era na minha efemeridade. O outro nem tanto assim... Que a Alba, portanto, me perdoasse. Não poderia deixar de lado aquela inicial fantasia, mesmo que não pudesse tocá-la, mesmo que apenas pudesse imaginá-la. E teria, a partir daquele momento, uma morena e uma loira, dois inigualáveis estados de espírito.

Contudo, desde a primeira vez que assisti ao filme Férias de amor (Picnic) quis logo tomar o lugar do ator William Holden e me transformar no andarilho que chega naquela pequena cidade do Kansas a despertar a libido adormecida da atriz. E como eu queria ter dançado com Kim Novak a famosa dança ao som de "Moonglow"! E como eu queria tê-la abraçado e beijado! Claro que fiquei com uma louca inveja de apenas presenciar tudo. A partir de então comecei a me interessar no que dizia respeito ou se relacionasse com a mesma. Sem despistar, lógico, minha morena Alba e depois outras que surgiriam. Mas, a paixão verdadeira e que morava muito distante não poderia jamais esquecer. Nada me impediu de ver algo de diferente na ainda jovem atriz, alguns bons anos mais velha do que eu. E na minha fase pubescente e encantatória floresceu o inesperado sentimento enquanto ela desfilou sua exuberância nas telas dos cinemas. Infelizmente contrariado devido sua transitoriedade, tanto a da bela mulher como também das salas exibidoras.
A grande frustração, no entanto, seria quando encarava a realidade. A infeliz realidade de que a mesma jamais saberia minha identidade e existência. Menos ainda do ardente desejo. Era uma tristeza o meu anonimato. E a solução, em parte, vê-la em seus filmes. Nada mais restaria. A não ser vivenciar o seu rosto encoberto de uma vasta cabeleira, num misto de ruiva, loira e às vezes morena (como em Um corpo que Cai, onde ela encantou nas duas feições). Não soube, todavia, o que me deslumbrou com maior intensidade: se o cabelo escuro ou de outra cor qualquer. Talvez gostasse dela em situações diversas, na mesclagem multicolor em que aparecesse. Parecia-me disposto a sublimar o recente sentimento. Porém, a mistura policômica do cabelo e o par de coxas de formas arredondadas, me despertaram, apesar da transparência, um equívoco. E, evidente que sim, sabia que nada dali era palpável, sobrando somente as réstias temporárias de um ilusão. Aqui, uma outra (doce) ilusão. Aceitá-la na sua forma de ser: invisível quanto a um suposto envolvimento.

ESPAÇO LIVRE

O MELHOR DO MUSICAL NO CINEMA


Entre 14 admiradores da chamada 'sétima-arte' a Tribuna do Norte publicava, no dia 11 de setembro de 1994, os seus 'melhores musicais'. Interessante notar que os dois primeiros colocados foram realizados a quatro mãos. Eis, portanto, a 'seleção das seleções', inclusive com a pontuação final.

1. Cantando na Chuva (Donen & Kelly, 52) - 82 pts.
2. Amor Sublime Amor (Wise & Robbins, 61) - 68 pts.
3. Sinfonia em Paris (Vincente Minnelli, 51) - 55 pts.
4. Help! (Richard Lester, 65) - 31 pts.
5. Cabaret (Bob Fosse, 72) - 30 pts.
6. O Baile (Ettore Scola, 83) - 29 pts.
7. My fair Lady (George Cukor, 64) - 28 pts.
8. Hair (Milos Forman, 79) - 26 pts.
9. Sete Noivas para Sete Irmãos (Stanley Donen, 54) - 23 pts
10. Meias de Seda (Rouben Mamoulian, 57) - 22 pts.

por benechaves às 15:44