perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



segunda-feira, fevereiro 27, 2006

DUAS DESILUSÕES


Além de Gupiara estar crescendo aos solavancos e deixando pobre sua paisagem, a fascinante Kim Novak também ia aos poucos fugindo de meus sonhos. Acho que se desfigurava ano após ano (como todos nós, a velhice a bater diariamente na nossa porta) daquela imagem jovem e de traços perfeitos que cediam, para minha tristeza, lugar a um quase arcabouço de mulher. (Lembro-me aqui do último filme em que a vi participar, fazendo, já envelhecida, na vida real, o papel de uma doente, na vida irreal. Não sei, creio que a mesma não deveria ter aceitado tal personagem. A fita me causou profunda melancolia, pois acredito aí que a arte imitava também a vida. E ela deixou-se levar pelos desestímulos, o tempo a corroer seus atrativos físicos). Daí, então, duas terríveis angústias tomaram conta de mim: o envelhecimento da outrora bela atriz, assim como, em uma situação parecida, o perverso progresso e os danosos efeitos da também outrora e pacata Gupiara. Era um vexame duplo que tive de lamentar e suportar. Embora em contraposições, os dois acontecimentos seriam conseqüências ditadas pelo transcorrer de uma existência.

Mas, o pior de tudo, claro, seria o passar e remexer dos anos. E com ele a amargura trazida, quando enxerguei os dois fatos que talvez nunca imaginasse acontecer. Lógico que na minha utopia de ainda menino quase ingênuo e adolescente, na doce intenção de jamais olhar para um futuro que se avizinhasse sombrio. Supunha que nada do bonito e simples que via iria, em largos pisoteados, se transformar em algo feioso. Porém, as coisas belas, com o transcurso dos períodos, grosseira e fatalmente, se metamorfoseavam em coisas feras. Não sabia por que tudo era assim, sabia apenas que as ocorrências seriam esmagadas pela insensibilidade do universo e pela imprudência do ser (dito) humano. A atriz não teria mais a imagem anterior, a beleza ia sumindo, ia enrugando. Difícil acreditar no desagradável fato. E fiquei perplexo diante de um novo, mas velho corpo. Decerto que também me desiludi com Gupiara. Ela existiu com certo entusiasmo antes, existe com temor no momento e existirá com saudade em um futuro próximo. Passado, presente e futuro se diluíam ante uma gradualidade opressora.

Lembro que naquela época ia com amigos a um bar perto da praia e de lá saíamos alcoolizados a perambular junto ao mar. Ninguém nos incomodava. E depois de algumas horas dormíamos ali mesmo na areia úmida, as ondas inocentes a fazer carícias e cócegas em nossos pés. Ou então, tempos atrás, passar descontraído, com um grupo pequeno, de casa em casa a fazer as desejadas serestas para as mocinhas da cidade. Vez ou outra éramos molestados pelas vizinhanças ou pais das mesmas a ficarem dizendo impropérios e também a jogarem água fria nas nossas cabeças quentes. Pior seria se acontecesse o contrário, evidente que sim. Mas, afora tais questiúnculas mesquinhas, as meninas-moças (ou nem tão moças assim) adoravam o som melodioso das cantigas ensaiadas. E as mais afoitas arriscavam uma olhadela, ludibriando seus progenitores, para tentar reconhecer os donos da romântica empreitada.

Era a Gupiara de nosso período, uma cidade inocente ou aparentemente inocente. Tomaram-na de nossas mãos e desígnios honestos e fizeram que a própria fosse desonrando seus iniciais sentimentos. Os profundos afetos perdidos ao longo de uma existência, de uma vida que se imaginasse sadia, sossegada. Dali em diante, já na minha fase da pós-adolescência e adulta, passei a enxergá-la com enorme desconfiança. Uma desconfiança de quem a quisesse vê-la sempre modesta, sincera e, sobretudo, não alheia aos compromissos da virtuosidade. Foram, portanto, duas ilusões a mais e dois fatos de estar a menos. Apre!

ESPAÇO LIVRE


MADRUGADA

Águas
frias
areias
orvalhadas

e tu

companheira
morena
loira
ruiva
faceira, ao
meu encontro.

Nossos sexos se
tocam em brasa, as
gaivotas esvoaçando
no mar e no ar.

E o oceano a gozar
nossa intimidade.

Bené Chaves

por benechaves às 16:49