perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



segunda-feira, janeiro 23, 2006

O OLHAR DA DESILUSÃO


Em conseqüência de Gupiara ter bons cinemas naquele tempo e antes da fanfarrice geral, pude eu, claro, ir além de uma ilusão. Teria maiores chances de ver a atriz Kim Novak. Lógico que aproveitei a ocasião de vê-la no escurinho das telas exibidoras. E a vi de corpo intero... Êpa!, mas, nada de seu corpo nu. Aí já estava querendo demais. Não houve nenhum atrevimento sensual na aparição da mesma enquanto durou jovem e bela na efêmera etapa dos cinemas da cidade. Somente de vez em quando um relance das belas coxas de fora (vide Meus dois carinhos, quando aparece ao lado do Frank Sinatra. Aliás, ela faria outra fita com o consagrado cantor em O homem do braço de ouro, muito bom filme do Otto Preminger). Lógico que me contentava com tal visão, porque, acima de tudo, as salas exibidoras eram, por enquanto, uma parte de minha vida.

No tempo em que me gabava desses sublimes momentos ocorria-me também de inúmeras outras atrizes perfilarem-se e desfilarem suas elegâncias e sensualidades, atraindo e causando desejo, não somente a mim, como a quantos estivessem a admirá-las. A única restrição que faziam era de que aquelas belas mulheres não se mostrassem libidinosas e despidas, visto que seria uma certa ousadia para o período. Tirante umas poucas, talvez casos raros, que arriscavam um ligeiro atrevimento de seus seios timidamente soltos fora da peça íntima, ou melhor, do sutiã. Mas aí já era safadeza de todos nós, meninos ansiosos por detalhes que despertassem mais ainda nossa efervescente libido.

Quanto a questões outras, sabia-se, evidente que sim, que eu exaltava tudo que se inclinasse de encontro à mediocridade, aquela então falta de grande valor que atingia a maioria, desde apresentações ridículas até outros casos que surgissem às escondidas. Quando se tratava de uma exibição que merecesse um olhar detalhado, não perdoava qualquer platéia moleca que de nada entendia. Tinha certeza do vexame de que a mesma poderia proporcionar. E ficava, então, puto da vida, pois estaria sujeito a escutar tamanhas disparidades. Eram demonstrações de desprezo que ninguém evitaria, fatos lamentáveis que presenciei algumas vezes. E na minha inquietude ficava torcendo para ir à forra com aquela cambada de ignorantes. Mas, nada disso acontecia. O certo é que eu não era mesmo de briga.

Outras ocasiões, no entanto, quando ia ver um filme sem pretensões quaisquer e com Kim Novak à frente do elenco, deliciava-me com a continuidade da paixão e quase não me incomodava com algazarras. Acho que ficava meio concentrado na imagem que via, seria uma higiene mental em assistir algo leve (vide Sortilégios do amor ou, então, O nono mandamento). E imaginava o que não poderia acontecer. E acho que a tristeza e a alegria invadiam meu ser. Seria a mesclagem de um desengano. Que me deixassem sonhar, viver! Que me deixassem viver, sonhar! Algum dia, porém, iria ter consciência e realidade (que chatice!) do momento lúdico que imaginava transgredir. Era coisa de menino besta mesmo, a transitoriedade em gestação. E aquele doce desejo me faria ir ao banheiro novamente. Seria um olhar a mais de uma desilusão.
ESPAÇO LIVRE


aforismo


homem x mulher.

desejos mútuos.

sexos indivisíveis.

o amor de te ter
será o mesmo que a
dor de te perder?

paixão x ódio.

vida x morte.

Bené Chaves

por benechaves às 12:02