perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



segunda-feira, janeiro 09, 2006

Este conto faz parte do livro Castelos de Areiamar (1984). Como sempre, tive de fazer algumas modificações e deixá-lo menos longo. Espero que tenha conseguido o intento. Uma boa leitura para todos.

AS COBRAS


Todos silenciaram.
Ele, então, levantou-se e balbuciou desconexo: milhares à sua frente. Apalpou os olhos com a dobra do fura-bolo e esfregou-os com força. Viu agora nítido e sobressalente.
- Estão prontos? - sua voz embargava.
Cansados, esperavam a resolução do homem, alguns anos ali depauperados e infelizes. Passou no corredor e os viu à porta, gritando encolerizados. Pouco a pouco conversava parado, no mais das vezes era ligeiro e decidido, fazendo olhar de repugnância.
Ajeitavam-se, vestiam trajes melhores, mangas compridas e calçavam sapatos de couro lícito, legítimo, usados. Vamos fazer o homem olhar para nós, diziam, enquanto se enfileiravam, paralelos, todos de chapéus entre os olhos.
Escovou os dentes e lavou o rosto, jogando a água suja no chão, depois botou o paletó e esmurrou o ar, abrindo a arcada postiça. Estava com sono. Pediu ao ajudante uma mesa e estirou os pés, unindo-os a um bloco empoeirado e a uma caneta no tinteiro seco.
- As anotações serão feitas - e meteu os dedos na folha.
O desfile, então, começou...
Esfregou de novo os olhos com o indicador e bocejou outra preguiça, o ajudante o olhando de soslaio. Um de cada, não pode mais - sentenciou. A cobra policrômica diminuía de tamanho, parecia engolida aos arrancos, estraçalhada sem piedade. As celas apelavam. O número era diminuto, não resolvia. Maior em tempo de engodo, aí sim, cada um de barriga cheia, embora somente poucos dias. A gente pode ir que o homem prometeu nos ajudar, dizia uma mãe com o filho agarrado ao seu vestido. A outra sentada e a criança no colo, cabeça enfiada no pescoço. Olhou desajeitada e sofrida, fazia sinais de desespero, esperando horas com aquelas grades dividindo o seu rosto. E o homem sozinho no birô a roncar adormecido com os braços encobrindo-o das visões.
No dia seguinte a sala desarrumada, acordara cedo e corria pro emprego. Um cafezinho ligeiro e corrigir as celas, fazer distribuições. Entregou depressa a mercadoria às vistas dos encarcerados. Ninguém conseguia colocar as mãos ali, ele obedecia a ordens superiores. Falou pro assistente que colocasse uma placa com dizeres enormes. Comprou tinta e uma tábua larga, começando a desenhar as letras: NÃO HAVERÁ..., mas desistiu, teria resolvido mesmo fazer as entregas.
A cobra era imensa, atrás e ao lado as sobras bem maiores. Tá é bonita! Quê? A cobra. Que cobra? Essa, homem, não tá vendo? Sim... Ela sempre não foi!... Boniteza aparente. Nos trajes e trapos dos outros. Ajeitaram os chapéus e assistiam ao desfile, um por um no corredor determinado. Porém o homem tava de mau humor, sua voz crescia e assustava todos. E a cada pequeno intervalo tirava uma soneca, encobrindo o rosto com os braços cabeludos. Que esperassem!, bufava feito um touro. Era uma criatura feia, uns faróis na cara que mais pareciam um fundo de garrafa verde. A careca reluzente se confundia com uma bola de bilhar nova. Infindáveis dias!
Muitos anos e ele ali sentado, a cobra diminuindo com vagar, o ajudante às vezes fazendo-a caminhar um pouco, cutucando sua cauda e rabiscando no papel. Ela desiludida depois de tantos sofrimentos. E as décadas passando... Que se danassem o resto!, disse no ouvido vizinho. O outro beliscando a ponta do nariz e rodopiando sobre si mesmo. Tudo parecia não passar de um equívoco, podia muito bem ver que estavam envelhecendo. Anos e mais anos e o mesmo serviço. Nesses longos períodos, mortos apareciam em quantidade no chão sujo a espalhar filamentos vermelhos no corredor. E ele entrava na sala ao lado e deitava-se numa emporcalhada rede, balançando-se entre dejetos. Dobrava, então, o seu-vizinho e o cata-piolho, deixando o maior-de-todos em posição ereta. Enfiava no buraco da fechadura. Tome!, bando de filhos da puta... - e sacolejava a mão com violência extrema.
Ante o socar do homem aquelas grades tremeram e a cobra aumentou e se esticou por conta própria, sem se saber a razão. A espera tornara-se insuportável e os outros ofídios se alargavam paralelos, numa policromia exuberante, aparente, belamente visível. Rastejaram o faro. Tudo continuava como antes, a fila sempre esperando do lado de fora. Nas grades, a continuação. Sentou-se e pegou a caneta, levou-a à folha. Escrevia: 1, 2, 3... E ao lado o nome e quantidade, a tinta se acabando. Chamou: Maria da Pureza!, o nome forte, rijo. E ridicularizou: esta daí só deve ter pureza no sobrenome, falando num tom baixo pro vizinho.
O desfile continuou até altas horas, recomeçaria... Os cachos longos, roupa nova a tricotear no salão. Os outros nas celas instáveis, troncos divididos. A pequena ração não alimentava quase ninguém. Apenas uma mínima parte fazia jus àquela manobra. Uma manobra eleitoreira. E as cobras voltavam com fome para o mato, seu habitat natural. Enroscavam-se entre as folhas a contemplar desprezadas e abandonadas as celas no estreito depósito. Os grossos cadeados impediam os espaços abertos. Arrastaram-se depois pelo úmido chão e sumiram-se, vingando-se dos olhos e chorando um choro amargo e sem veneno.

ESPAÇO LIVRE



DOÍDO AMOR


Tuas mãos pousam
como aves de rapina.
Rasgam meu corpo
na ânsia do amor.
Carnal e fatal.

E a louca paixão
devasta-me inteiro
liberta livres instintos
de um querer sofrido
um afeto estilhaçado.

Na ânsia de egoísmos
tua selvagem presença
nas minhas entranhas.

Bené Chaves

por benechaves às 12:52