perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



segunda-feira, janeiro 30, 2006

Compartilho hoje com vocês do conto Dois Personagens, que faz parte do livro A Explovisão, lançado em 1979. Fiz algumas alterações e deixei-o menos longo. Espero que desta vez todos compreendam. E uma boa leitura.




DOIS PERSONAGENS


Verdade que amanhecera um pouco indisposto e mesmo chateado. Levantara-me e dirigira-me ao banheiro, estava com a cabeça parecia fogo. Não dormira bem, tivera um sonho estranho e inquietador. Lembro-me dele: existiam poucas pessoas no mundo. A civilização parecia se integrar quase toda de animais. Eram bichos de diversas qualidades habitando nosso planeta. Evidente que me perturbara com tal visão, sem saber, lógico, que estava sonhando. Mas, entrei no chuveiro e tomei um banho frio, antes fazendo minhas necessidades fisiológicas. Acredito que milhões de seres humanos (ou não) faziam o mesmo naquela hora. Homens, mulheres, crianças, homossexuais, hermafroditas, quase todos deveriam estar com a bexiga cheia àquele horário. Para mim, até acordar com o pesadelo, a vida estava morta. E também acordavam para os prazeres ou desprezares de uma existência. Uns para a falsidade, mentira, hipocrisia. Outros para a verdade, honestidade, apreço. Era a vida no seu dueto de valores. Cada um seguindo o caminho que achasse melhor para si. Uma espécie de rivalidade entre o Bem e o Mal.
Sei que tomara um pileque na noite anterior e resfolegava depois de uma ressaca braba. O certo é que não estava nada bem. Ou não seria o inverso? Minha cabeça confundia-se e via objetos rolarem dentro dela. Sentia também uma tontura de cair. E achei que seria melhor voltar para a cama. Então, dormi de súbito. Horas e mais horas... O sonho voltara com fervor, movendo-se dentro de mim. Diante da imposição, resolvi sonhar. E vi logo que aqueles animais se devoravam uns aos outros. Era uma peleja em que destruíam, além de seus semelhantes, o bem e o saber, a justiça e a verdade. Comiam palavra por palavra. Aí eu me inquietava, às vezes acordando e outras me deixando absorver pelo pesadelo. Ele parecia querer me abocanhar.
Mas, depois de um período longo, já não sonhava. Notei uma vasta nuvem escura pela janela que ficara aberta. Fechei os olhos e também, misteriosamente, a vi. Abri-me de pavor. Alguém, então, disse: meu rapaz, a vida é uma seqüência, todos nós fazemos uma peça, cada um que se vire melhor. Rebati: quem está falando? Houve um silêncio e observei aquela mesma nuvem jogar alguns animais ao chão, distanciando-se num vulto pequeno. Eram três horas da manhã quando olhei com nervosismo para o relógio. O céu se encheu de estrelas. Não existia uma só nuvem ao redor. Joguei-me na cama e dormi com medo.
O dia amanheceu bem claro, as pessoas pareciam amareladas, em cada face se sentia uma incerteza. Todas eram inconscientemente mecânicas, automáticas, como um ímã sem controle. Eu também teria de agir de duas maneiras, vivia duas personalidades. Saí e passei em frente a um cinema. Estava lá escrito no cartaz: Dois Personagens, uma fita com atores desconhecidos. Interessante é que a mesma falava num tal sujeito que vira animais caindo de uma massa escura sobrevoando o espaço. Desvie-me e decidi parar na casa de um amigo. Porém o sonho ainda me incomodava, queria apossar-se de mim. Flutuava na ambigüidade de vozes e inquietações. Fui embora numa correria desordenada.
Era noite e o universo incandescia, a lua estava cheia de uma iluminação cinzenta e de um aspecto meio triste. De repente senti pavor e o frio surgiu a espetar-me o corpo. Então o tempo começou a mudar. Seria a tal nuvem? Ouvi um sussurro e uma barulheira iguais a machadadas no tronco de uma árvore. Arrepiei-me mais ainda, pois uma massa negra pareceu dominar os impulsos de uma madrugada. Falava temeroso: quem está aí, algo fictício? A interrogação me deixou perplexo. E ela, aquela terrível nuvem negra, foi desaparecendo para alívio meu. Finalzinho da madrugada.
Torci, portanto, para que os fatos acontecidos fossem verdade. Porém, deveria estar sonhando.Mas, no sonho não vi nenhuma nuvem, apenas animais. Com certeza seriam duas personalidades que se avizinharam. Então batuquei: existiria alguma analogia entre meu sonho e minha realidade? Fui para casa e cheguei já com o sol raiando.

por benechaves às 11:56