perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



segunda-feira, dezembro 12, 2005

QUADRAGÉSIMOS PRIMEIROS ALUMBRAMENTOS


A historinha contada pela minha bisavó estava sendo reexaminada para ilustrar o quanto ela era versada nessas causas. Tal relato e outros também, dona Nonoca jurara à minha mãe que seriam verdadeiros. Mas, se fossem ou não, nunca se haveria de saber, apenas que ainda andam de boca em boca percorrendo o mundo. Claro que no intuito de abarcar opiniões diversas entre as raças e suas miscigenações. Portanto, a curiosidade ficaria para a descendência... E o que não era nossa descendência senão os filhos que seriam criados e que iriam avivar estórias (ou histórias) como essa? Ademais se sabia que narrativas assim serviam, sem dúvida, para enaltecer aptidões no futuro, pois o meu e o seu amadurecimento juntos trariam fatores indissolúveis para uma melhor compreensão de tudo, inclusive somando-se aí os gostos e desgostos da existência. Poder-se-ia dizer, então, que de fatos miúdos é que brotavam grandes abundâncias, isto é, de acontecimentos simples nasciam feitos memoráveis. E dizia ela: é a experiência, meu filho, é a experiência...

O dia seguinte amanhecera normal, nuvens ativas cobriam pouco a pouco um céu azulado, de cor infinita. Não sei a razão, mas o fato é que comecei a lamentar as intempéries da vida, talvez devido a toda uma embrulhada da realidade, de situações precárias que alguns sobreviviam e não poderiam habitar-se com dignidade. Dei um grito longo e fugi do resultado com brusquidão. Seguiram-se horas e horas de angústia e desespero, não sabia o que fazer, apenas meditava com impaciência. Conhecia, sim, ou supunha ter noção, do inevitável e imprevisto destino de todos nós. E suas condoídas disparidades na atividade diária. Era um substantivo feminino que requeria muito suor. Lembrei-me, então, de quando era pequeno, tendo certeza de um dia crescer e enfrentar tamanhos desatinos. Magicamente via e precocemente luzia. Talvez ficasse, quem sabe, à mercê de imposições geradas pelas circunstâncias da própria vida. Ou me libertasse quanto a uma possível e duvidosa profecia. Tais ou quais possibilidades só seriam admitidas com o caminhar, claro, das situações. Seria uma peleja no escuro ou uma esperança demorada. E, depois, poder-se-ia evidenciar qualquer desfecho. Bom ou ruim.

Não contei ainda como conheci aquela com quem iria casar, mas acho que foi numa dessas ocasionalidades e surpresas que a vida proporciona. Ou será que nada é por acaso? Parti, em conseqüência, para mais uma suposta conquista, eu, que vivia uma pós-adolescência existencial. (Lia muito neste período de afluentes discordâncias e fluentes concordâncias). E tendo receptividade da parte oposta iniciei o namoro desejando maior intimidade em lances que pudessem acontecer. Como não consegui êxitos e resultados finais, terminei me apaixonando.(Na época, não era tão fácil uma sedução, você tinha de ter respeito para merecer confiança. Só então arriscaria uma investida quando superassem os duvidosos momentos. E nenhuma provocação seria possível se não houvesse harmonia da parte contrária. No meu caso não tive a sina de um ataque bem sucedido, já que a companheira sempre exibia resistência dobrada. Azar meu e sorte dela? Ou o inverso?). E depois de alguns anos tive mesmo de casar.

ESPAÇO LIVRE


FATALIDADE


Diante da ilusão
deitou-se em gemidos
na noite borrifada.
A paixão/dor como feitiço
cruel, dilacerante.
E a morte carregando-a
ao surgir da escuridão
na opalescência leitosa
e cinzenta.

Era o dolente fado de
morrer por afeição nos
sortilégios de uma
inusitada vida.

Bené Chaves

por benechaves às 15:45