perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



segunda-feira, dezembro 05, 2005

Este conto faz parte do livro A Explovisão (Edições Clima, 79). Praticamente eu tive de reescrevê-lo e reduzi-lo ao máximo.Creio, no entanto, que o mesmo conservou sua essência. Uma boa leitura para todos.

JOGO DE PALAVRAS


Amanhecera! Tudo estava azul ao meu lado. A cama que dormíamos ficara totalmente desarrumada. Amanhecerá e não sairei da mesma, pensei dois minutos antes. Então, amanhã será um belo dia, disse com um sorriso nos lábios. Fui à janela e abri as cortinas. Caía uma chuva intensa. Vamos ficar na cama o dia inteiro?, convidou-me a suave voz ao meu lado. Oh, não posso, tenho de resolver outros assuntos. Mande tudo pro diabo e venha pra cá - e, de súbito, aquela bela mulher abriu as pernas e puxou-me pro seu lado. Chegue... Deite aqui... Apaguei a luz e obedeci ao apelo da parceira. E, então, fizemos amor ao som de uma água que parecia desmoronar em nossas cabeças. Ouvindo o respingar a molhar a pequena janela do quarto, ficamos deitados durante horas seguidas.
Ah!, hoje sim, amanhecera um sol forte, seguro, dono de si. Teria de aproveitar o dia. Saí e fui embora, deixando minha companheira dormindo num resmungar feliz. Caminhei quilômetros até o ponto determinado e escolhido. Estava exausto. Um muro enorme surgiu na minha frente e no alto uma senhora mediana brincava com passarinhos domesticados soltando-me piscadelas. Lá no fundo um homem acenava para mim. O ambiente me pareceu despótico e duvidoso. Gritei: vim atender uns pedidos, buscar soluções. Mas, o cidadão aproximou-se e olhou com cara de raiva. Tinha um charuto nos largos beiços. Disse-me: por que você não fez o que era pra ser feito? Respondi que não devia e levei um bruto murro no rosto chega o sangue espirrou. Caí e fiquei estirado feito roupa de quarar.
Amanhecerá outro dia e nada do pessoal, estou ficando nervoso, ouvi quando disseram. O dia tinha acordado nublado, nem chuva e nem sol. Os dois olhavam-se entre si e balançavam suas cabeças. Amanhã será o dia decisivo, não esperamos mais. O danado é que teria de ficar ali naquele chão emporcalhado... Porém anoitecera e a lua já saía de dentro das nuvens, embora sem o brilho de uma noite de verão. As estrelas se contavam no céu opalescente. Anoitecerá e ninguém irá dormir, sentenciou o homem do charuto. O relógio da parede abanava quatro horas. Angustiantes. Amanhecera, no entanto, o último prazo dado. E amanhã será, lógico, o dia determinado. Com toda certeza amanheceria de cara inchada, talvez até morto.
A lua escurecia e clareava, às vezes imaginava que ela estivesse brincando de esconde-esconde com as nuvens. Virei-me e vi a figura do homem baixinho ao lado da mulher que piscava. O que o senhor faz aí?, perguntou a voz de charuto na mão. Vá pro seu lugar, concluiu a dos passarinhos. Disse desesperado não saber mais o que fazer, não entendia nada, estava alarmado e fui dormir.
Outro dia surgiu e o caminho se tornou visível. Levantou uma poeira na terra úmida e alguns homens esbarraram seus cavalos. Senti o odor como um pressentimento de algo ruim. Desceram e o da frente pronunciou-se: não fizeram o serviço que deveria ser feito? O sol saía e batia fraco sobre as montanhas, apenas pingava uma garoa fina e doentia. Enfrentei-os: sou inocente, de nada sei, deixe-me explicar...Quero justiça!
Mas, os homens abaixaram as cabeças e silenciaram. Eles também não sabiam de nada, faziam somente parte de um jogo. E ditei, então, meu destino: amanhecerei rasgado, chicoteado, passarão e pisarão minha cabeça, o sol não brilhará, anoitecerá, então a noite será triste e infeliz, porque amanhã serei um homem morto. Amanheceria uma placa de sangue, porém, amanhã seria, obviamente, um novo dia. Talvez um dia em que depois daquele jogo também de palavras os passarinhos não seriam mais domesticados e poderiam voar livres para onde bem quisessem. Lá atrás, somente, a grande casa azul e um silêncio que se escutava no ar.
Bené Chaves

por benechaves às 10:40