perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



segunda-feira, novembro 21, 2005

TRIGÉSIMOS NONOS ALUMBRAMENTOS


Sabia, outrossim, que uma crença ou convicção não seria meu ponto fraco. Meio alheio e descrente de algo que se fazia inacessível, poder-se-ia dizer que eu era uma pessoa agnóstica. Mas, se poucos tinham um resquício de fé e muitos o tinham inabalável, outros mais ficariam indiferentes quando alguém tentava persuadi-los. Embora, de um modo geral, fosse bom mesmo que uma religião qualquer conseguisse o intento de estabelecer um travão naquelas pessoas de ódio e violência incontidos. Deplorava, contudo, o fanatismo e já sabido oportunismo de doutrinas que apenas serviam para alienar mais ainda a pouca educação e instrução de um povo. Acomodação feita, lógico, na base da ingenuidade e falta de conhecimento dos ludibriados. Afinal ninguém pode elevar o nome de outro, seja através de interesses próprios ou finalidades suspeitas. Muito menos quando se envolvem cobiça e grana no episódio e que esta palavra tenha sido apenas (hipoteticamente) criada.

Porém, repasso tudo e me lembro agora do amigo morto Valdeci quando jovem e de nossas farras etílicas que madrugavam.Lá pras tantas (e com outras pessoas) a gente ia esperar na praia o dia amanhecer e olhar o sol surgindo dentre cerros clareando o horizonte. Tinha-se, então, uma visão belíssima e que absorvia a ressaca braba que nos atacava. Uns mais descontraídos gostavam mesmo era do banho em plena madrugada. Ficavam nus e iam molhar seus corpos nas ondas a invadir nossas ilusões dentro de um infinito e misterioso mar. Depois todos subiam para a parte alta da cidade a beber café com cuscuz e tapioca no mercado das imediações, a cerveja já sossegada no organismo. E chegava-se em casa com o dia raiando, também tendo-se o máximo de cuidado em não acordar os que ainda dormiam um sono inocente.

No litoral deserto de Gupiara causando brandura e uma sensação de paz, ali nas cercanias, estavam alguns dormindo, outros acordando logo cedinho e dilatando o dia pela sobrevivência. Esta luta constrangida e áspera que para alguns de nós era continuar a existir... Ou inexistir? E que para o jovem ainda Valdeci e outros tantos tiveram a segunda alternativa. Sei somente que cada um cumpria seu rumo, destino ou ranço, procurando um ideal que lhe desse contentamento ou não. Assim era a vida de todos nós, os percalços ou enlevos que iriam trilhar nossos caminhos.

Aliás, ilustro aqui uma inusitada aventura de meu primo. Lembram-se dele? Não chegou a casar com a Mirtô, acho que ela cansou de suas tramas e famas. Pois bem! Fugiu da cidade onde estudava para se formar em Engenharia (o sonho de seu pai), voltou a Gupiara e raptou do Orfanato uma donzela, bem, nem sei se ainda a Zélia era tal... Mas, levou-a para uma praia distante numa casa sem conforto nenhum e quando estavam lá no sarrinho gostoso em cima de uma rede, a mesma partiu-se deixando os dois ridiculamente no chão. Aí os coitados tiveram de rir e gozar no seco, talvez nem isso, depois de uma bela e doída queda. Terminaram se casando pela força das circunstâncias. Não foi um vexame seguido de um transitório enlaçamento?

Meu primo com quem vivi momentos inesquecíveis da juventude, lembranças que me tocam e me fazem emocionar, partiu (precocemente) já para a eternidade ou coisa que o valha. Mesmo sempre descontraído e brincalhão, seu coração não suportou as mazelas desta vida. E comigo ficaram somente as saudades de um bom período que passamos e farreamos juntos a nos deliciar e divertir nos áureos tempos de nossa ainda pacata cidade. Era, portanto, outra ilusão na trajetória diversificada da existência.

ESPAÇO LIVRE

O MELHOR DO GANGSTER NO CINEMA

No dia 20 de novembro de 1994 o jornalista Valério Andrade, do jornal Tribuna do Norte faria uma pesquisa para sabermos quais os melhores filmes sobre o gangster no cinema. Participaram onze pessoas ligadas à chamada sétima-arte, inclusive eu e dois amigos que têm também uma página na internet: o Francisco Sobreira (do www.luzesdacidade.blogspot.com ) e o Moacy Cirne (do www.balaiovermelho.blogger.com.br/ ). Daremos aqui somente o resultado final:

1. O Poderoso Chefão (Francis Ford Coppola, 72)
2. Segredo das Jóias (John Huston, 50)
3. Relíquia Macabra (John Huston, 41)
4. Scarface - a vergonha de uma nação (Howard Hawks,32)
5. Rififi (Jules Dassin, 56)
6. Fúria Sanguinária (Raoul Walsh)
7. Era uma vez na América (Sérgio Leone, 84)
8. Um Preço para cada Crime (Bretaigne Windust, 51)
9. Bonnie and Clyde / Uma rajada de balas (Arthur Penn,67)
10. Anjos de Cara Suja (Michael Curtiz, 38)

Bené Chaves

por benechaves às 18:05