perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



segunda-feira, novembro 28, 2005

QUADRAGÉSIMOS ALUMBRAMENTOS


Segui, então, as metas fixadas e firmadas, tudo ficou depois sombrio e difícil, pois Gupiara ressentia-se de uma inércia com maior intensidade diante de si. A população, como sempre, continuava na mesmice e no abandono. Tinha de encarar verdadeiros vilões que se apoderavam dela, fossem para atos enganosos ou então sacudir e engarfar suas pretensões, diga-se de passagem, agora menos fáceis e já tapeadas continuamente. O meu recém namoro também se fixava e se aconchegava, enaltecendo ainda mais minha postura quanto a um relacionamento sério. Portanto, nada ou quase a dizer sobre o mesmo, deixei-o seguir os seus rumos naturais e rotineiros. Pareceu-me que chegara a hora de uma mudança radical no quesito amoroso, depois de algumas sacudidelas em que envolvera os meus sentimentos.

Terminei o curso superior e recebi o diploma, tendo meus pais como um incentivo maior na batalha para tal. Mas, sempre fui um menino e rapaz estudioso, modéstia à parte. Era mais um filho a se formar dentre tantos outros que lutavam pela futura (e por que não imediata?) sobrevivência. Dali, com certeza, iria me casar e ter os rebentos necessários para a continuação de uma espécie, no caso, da minha qualidade humana. Seria uma árdua tarefa, porém teria de dar seu seguimento, pois todos o faziam, queriam e desejavam. Era uma seqüência dilatada e também dilacerada dos seres viventes. E o que fazer depois com um bando de gente solta e a maioria sem rumo pelo mundo afora? Cada cérebro um enigma, cada corpo uma função e cada existência outra ilusão. Deveria aqui perguntar: pode uma árvore dar bons frutos e depois deixá-los cair sem uma colheita especial? Dependendo do tratamento que se daria ao vegetal, as conseqüências poderiam ser desastrosas ou não. Tive consciência, a partir daí, de colocar adubos que pudessem florescer cada vez mais os arvoredos futuros.

Lembrei-me de uma história que minha mãe contara de seus avós. E lá dizia ela: "meu filho, pai Inacinho tinha uma saúde de ferro, ninguém nunca imaginou que ele fosse embora no dia de inteirar oitenta anos. Mas, tudo se deu ao contrário, era a vida e seus avessos. Pois bem! Sua mulher Nonoca, apesar de também não ter condições para festinhas, já beirando anos no lombo e dizendo-se cansada de tantos arremates, teria decidido, porém, fazer um bolo para o marido. Contratou uma especializada na culinária e preparou a surpresa para seu velho... Mas, diante do inditoso acontecido e vendo-se ao lado do corpo inerte do companheiro, ela, com a mesma verve que lhe fora peculiar nos anos sacudidos e divididos, não teve outra alternativa senão exclamar: 'não acredito meu Deus, mas que astúcia essa do Inacinho, inventar de morrer logo hoje!'. E deixou a sala sorrateiramente se enfurnando dentro de um quarto a lamentar triste desfecho. Como se alguém, meu filho, fosse capaz de inventar sua própria morte. Essa minha avó tinha cada uma!... Que astúcia!".

Sei que tal história não tem muito ou quase nada a ver com o que dizia anteriormente, apenas me lembrei pelo medo que invadiu meu corpo. O medo de saber da vulnerabilidade de todos nós, de uma ilusão aberta de nossa existência. Saber que em um dado momento qualquer, tudo se esvai e dilui. E também servindo para deixar inscrito às gerações futuras que é uma história viva de humor, talvez negro, mas bem realista. Inclusive auxiliando, óbvio, como um hiato à nossa narrativa.

ESPAÇO LIVRE


EXCLAMAÇÃO


Na aridez de teu rosto
meditas infeliz as vãs
sinuosidades do tempo.

Tempo do não-amor
da não-invenção, tempo
de desespero e dor.

E gritas com amargura
clamando a razão eterna.


Bené Chaves

por benechaves às 11:29