perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



quarta-feira, outubro 26, 2005

TRIGÉSIMOS SEXTOS ALUMBRAMENTOS



As moças de Gupiara, ainda encabuladas, acredito que sim, mas cheias de sedução, levantavam as mãos até a face e simbolizavam enternecimento ou timidez, a música solta tentando desinibir seus desejos. Então, quando um jovem as encarava, elas fingiam contração e encenavam, parecendo serem boas atrizes, abaixando suas cabeças e enfiando-as dentro das largas saias compridas. Depois, subitamente arrependidas, erguiam as mesmas e enfrentavam o também tímido mancebo ainda as esperando silencioso e sôfrego. Os outros, vendo tão aguardada cena, acudiam rápidos e logo a seguir todos estavam emparelhados com as ditas donzelas. Elas tinham sido derrotadas na presente competição. E, simplesmente, naquela deliciosa peleja, se deixavam entregar, óbvio, no bom sentido. Aí, portanto, ocorria a junção dos corpos com brandos escorregos e requebros melodiosos... O salão era uma festa só, com os casais já todos desinibidos a desatarem seus ímpetos anseios no intuito de conseguirem os pares pretendidos.

Assim eram as meninas-moças de uma época que se foi, como da mesma forma os rapazes. Desse modo não são mais as ditas meninas-moças e os jovens atualmente. E também os homens e as mulheres de um modo geral, pois as situações se modificaram e os rumos tomaram novos prumos. Apagaram-se as supostas inocências e acenderam-se as não supostas libertinagens, na acepção própria da palavra. Tudo eclodiu, foi embora, bons anos que somente hão de ficar como uma saudade e outra ilusão. E com aquele gesto ingênuo, (quase) proibitivo, lógico, uma sensualidade que despertou um calor veemente e a libido da juventude. De nossa juventude. As facilidades atuais e também mercantilistas tiraram muito de um glamour existente no período. O da não fácil conquista, arrebatamento, sedução... Era a nossa insuflação de momento.

Sem dúvida que os rapazes (e eu no meio deles, claro) fingiam não adorar, mas depois se encantavam dos trejeitos meio maliciosos, sutis e aparentemente inocentes das púberes mocinhas. E elas também não ficavam atrás nas metas determinadas. Tudo, então, seria o fim de mais uma década que celebrava uma talvez e doce candura. As coincidências da vida, seus encontros e desencontros fizeram-me entender um pouco de cada ser humano, suas vicissitudes e anseios. Foram conhecimentos adquiridos no curso de uma ainda curta existência, porém desejando criar e posteriormente colher frutos sadios para a continuidade da mesma. Ou, quem sabe, poderiam ser, além disso, raízes de uma casual e antepassada circunstância.

Algumas pessoas ficaram alheias a um convívio salutar e isso se deveu, talvez, até pela falta de uma vivência direcionada para tal fim, como a estímulos estilhaçados e outras ocasionalidades evidenciadas no fluxo de uma vida. E pode ter sido também por uma índole que já viesse anos inimagináveis com sua rudeza secular.

ESPAÇO LIVRE


PRINCÍPIO

Na aurora cinzenta e fria
de um crepúsculo existencial
a morte a nos perseguir
e a velhice intolerável a vir
em ventres formados e deformados
úteros e cavidades envaidecidos
vomitando seres inocentes
no vazio de uma vida.

Entre um oposto e outro
a esperança efêmera
de uma ocasionalidade perdida.

Bené Chaves

por benechaves às 20:33