perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sexta-feira, outubro 14, 2005

TRIGÉSIMOS QUINTOS ALUMBRAMENTOS


E com Gupiara no encalço de ruinosas figuras vi-me estudando em curso superior e atarefado o suficiente para quase interromper outras atividades, principalmente as relacionadas com as meninas-moças da época. Tinha de estudar com afinco e adiar festinhas de fins de semana. Antes disso, porém, lógico, fui aprovado no vestibular de Farmácia e Bioquímica e reprovado no de Medicina, ambos feitos no mesmo período. Mas com a promessa aos meus pais de realizar novo exame ano seguinte, pois desejava muito cursar Medicina e me especializar em Psiquiatria. Via, com isso, uma possibilidade de tentar ajudar mentes perturbadas em um mundo de inquietações e também sofrimentos. Um mundo que a cada dia se tornava mais louco. Não consegui, contudo, realizar meu sonho de infância, porém, uma irmã minha, dois anos após, foi aprovada para exercer o que tanto idealizei.

Curioso é que, no trote dos calouros, ela sairia às ruas com as colegas, charangas e muita badalação para festejar a aprovação de todos. E numa suposta inocência que lhe era peculiar. Na época, o fusca era o carro mais vendido e popular. Aconteceu de colocarem em um cartaz palavras alusivas ao mesmo, numa referência maliciosa às tão badaladas garotinhas da sociedade. Estava lá escrito em letras graúdas: "Certas moças do society são como o carro da Volks, isto é, só tem potencia na traseira". E com erro de português e tudo. Na pressa, esqueceram de colocar o circunflexo na palavra adequada. Belos formandos, hein?

Mas, fazia-se alusão ao automóvel cujo motor é na parte de trás, já que o falatório usual inteirava de que algumas menininhas gostavam mesmo era de serem enrabadas. Daí o alarmante vaticínio para uma Gupiara ainda em crescimento. Certamente porque, de outra forma, havia o risco de engravidar, pois supunha-se que os preservativos, se é que existiam, não teriam a mínima segurança. Ou, então, em último caso, uma tara de algumas donzelas da cidade. E o que foi muito pior: botaram minha irmã para carregar tão picante anúncio. Com a agravante da mesma não imaginar o que estaria escrito no indiscreto cartaz. Ela, na sua talvez ainda inocência, apenas seguia caminho com outras colegas e outros anúncios, a sacudir e mostrar o que segurava nas mãos na cândida presença também de freiras carmelitas que a tudo assistiam. Imagino aqui o horror das religiosas do Colégio Imaculada Conceição em que ela terminara o curso. Que intenção maldosa dos que escreveram tais mensagens, não?

Mas, enquanto Myrna (nome dado em homenagem à atriz Myrna Loy e de que Painhô tanto falara da mesma nas suas inúmeras idas a um cinema próximo) cursava Medicina, ocupava-me das químicas da vida iniciada antes e podendo depois avaliar o quanto seria importante um dia me graduar tendo o diploma no fim de quatro anos. Feito isso, seria um doutor, com tudo de direito ou errado. E nada impediu, todavia, que vez ou outra fosse a um clube, já que sentia uma falta medonha de um bom sarro no meio daqueles festejos. As meninas que o digam, eu que afirme corroborando. Elas no acanhamento natural, mas, paradoxalmente, ávidas em conseguir um bom dançarino. E, então, ficavam ali no miolo do salão esperando algum rapaz afoito que as chamariam para uma boa dança e requebros.

Gupiara, portanto, aos poucos, ia perdendo também sua inocência, sua timidez. Os próprios rapazes, já crescidinhos e as moças, não sei se tão moças assim, tiravam-na de um arrefecimento de cidade pequena. Seria uma espécie de desregrada evolução tomando pulso de seus arredores.

ESPAÇO LIVRE


MELHORES FILMES ROMÂNTICOS DOS ANOS 50

·
Um lugar ao sol (Stevens,1951)
· Depois do Vendaval (Ford, 1952)
· Monika e o desejo (Bergman, 1952)
· A princesa e o plebeu (Wyler, 1953)
· Sedução da carne / Senso (Visconti, 1954)
· Noites de Paixão (Mattsson, 1954)
· Sabrina (Wilder, 1954)
· Lola Montés (Ophuls, 1955)
· Férias de amor / Picnic (Logan, 1956)
· Um rosto na noite (Visconti, 1957)
· Amor na tarde (Wilder, 1957)
· Os amantes de Montparnasse (Becker,1957)
· Quando voam as cegonhas (Kalatosov, 1957)
· Corações em suplício (Kautner, 1958)
· Os amantes (Malle, 1958)
· Hiroshima meu amor (Resnais, 1959)
· As ligações amorosas (Vadim, 1959)




Bené Chaves




por benechaves às 19:35