perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, outubro 08, 2005

TRIGÉSIMOS QUARTOS ALUMBRAMENTOS


Naqueles tempos, minha-nossa-senhora, as belas atrizes não apareciam nuas, apenas alguns relances de sensualidade e nada mais. Seria uma temeridade se assim o fizessem, coisa mesmo da época, de uma censura austera e ainda conservadora. Quando muito, um bonito colo a revelar seios generosos ou umas coxas grossas descobrindo boa parte de um corpo tipo violão, como se dizia. Mesmo que fosse às escondidas. E a atriz Kim Novak fazia-me deslumbrar com suas curvas delineadas a quase sempre ir a um banheiro próximo, eu aí nos meus treze ou quatorze anos de inexperiências e ansiedades. E olhe bem que não via um terço das partes pudendas de tão encantadora mulher. Minha euforia maior seria admirar suas lindas pernas e o rosto sutil, um misto de ruivo, loiro e moreno. Então, inchava de prazer e contentamento. Também pudera!... Também pudera!

No período em vigor pude avaliar o quanto teria levado adiante tal questão, visto que denotava, desde já, meu desconcertante - e lógico - relacionamento platônico. Portanto, naquele intervalo, parece, da adolescência (ou antes?), me concentrei numa ilusão de que tudo poderia um dia se tornar verdadeiro. Ou, então, mergulhar de vez na fantasia iniciada. De qualquer maneira me valia do único meio que existia no momento, uma possibilidade não palpável, porém repleta de indiscutível magia. E creio que fiquei parcialmente feliz porquanto vivia uma fábula materializada por um desejo sublimado e impossível. Daí, os ralos dos banheiros se encher de um apetite lascivamente impedido.

Diante do exposto, concluí que tinha lá minhas razões. E, modéstia à parte, ficava admirado com engenhosidade deveras peculiar, sabedoria e esperteza mesmo da juventude, do que seria belo e inesquecível. É sabido que sempre demonstrei tais características, nascidas talvez de um gene especial, ao contrário do que já abordei aqui, na ilustração de uma ancestralidade e conseqüentes hereditariedades não desejáveis ao ser (dito) humano. Lógico que toda regra tem suas exceções, mas a maioria era assim mesmo, abarrotada de incoerências porque fruto de uma mistura cada dia aumentada.

E nesse quadro paralelo Gupiara seguia, a contragosto, sua trajetória equivocada, quando os mandatários tocavam obras superficiais apenas com o intuito de vê-la crescer, crescendo, contudo, dívidas enormes que, no futuro próximo, sobravam para a população. Débitos estes feitos através de algo ordenado ou contribuições alteradas. E o principal não era realizado, pois se faziam mais contra-obras do que propriamente um empreendimento em favor dos necessitados, prejudicando o trabalho social que deveria ser colocado em prática. Depois - nem sempre - apareciam as danosas conseqüências dos desvios, sem se saber, no entanto, onde os mesmos foram enfiados.

Porém a minha outrora cidade querida, de tempos bons, áureos caminhos da inocência perdida, seguia seu rumo e nada a detinha. Pareceu-me que iria se tornar, a cada passo, numa Gupiara inexistente e insensível. Uma Gupiara alheia aos anseios de um povo cada vez mais sofrido, de um povo vivendo às margens de uma sociedade no natural individualismo que lhe cabia. E chegando também ao vexame de nada criar e somente copiar, em um gritante contra-senso e uma desenxabida vulgaridade. Inclusive com uma população alheia aos verdadeiros motivos da desonra impetrada. E tudo era feito seguindo impulsos de urbes desenvolvidas.

ESPAÇO LIVRE

CLEMÊNCIA



Ao olhar da vida
a rotina que dilacera
os odores e (dis) sabores
o grito que desespera.

E o contundente apelo da
desalmada fuga de si mesma.

No ouvido sussurro-lhe:
foge dos fantasmas
ouve os murmúrios
ouse quebrar desencantos.

Amanheças no amanhecer!

Bené Chaves

por benechaves às 18:22