perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



segunda-feira, setembro 26, 2005

TRIGÉSIMOS TERCEIROS ALUMBRAMENTOS


Lógico que confessei o desgosto que sentia em presenciar o ordenamento e subserviência daquelas ditas pessoas, inclusive de algumas que se diziam insatisfeitas e não tolerar a presente situação.Mas, como eram para seguir uma dimensão e aspiração imoderadas, faziam, podia-se ver com evidência, de tudo que fosse necessário. Aliás, até jogar fora uma vida de conquistas alcançadas através de uma posição de pseudo-sabedoria e inteligência, facilmente detectáveis e revertidas em pantomimas. O passado que se danasse, valia somente o presente e confortável estágio em que passavam a viver. E esta era, portanto, minha amargurada visão.Uma enganosa antevisão? Os piores seriam os que se diziam autênticos, mas, depois de uma chance obtida pelo oportunismo, detinham um poder besta qualquer e definiam suas verdadeiras faces. Retiravam, deste modo, as máscaras ocultas da razão. Era como aquela música que o cantor e compositor Cazuza cantaria e dizia em um de seus trechos que a ideologia não passava de uma maneira para se viver, denunciando as aptidões e ambições de tais indivíduos. "Ideologia... Eu quero uma pra viver". Uma canção não aceita de bom gosto no círculo ora revelado.

E assim, tudo seguiu o rumo normal, nada mais de fanfarras ou obstinações, atingir ilusões e objetivos. O marasmo tomou conta de Gupiara e os conluios se fizeram evidenciar assim como também o medo, para a má sorte do lugar. A rima é proposital, dada a uniformidade em que a fizeram eclodir, pois somente através das identidades de sons pôde-se amenizar tamanha realidade. Dali em diante o clima tornou-se hostil para alguns de nós que não se conformavam com o caos vigente. Gupiara estava entregue ao acaso, ao obscurantismo e também à denúncia.

Foi mais ou menos neste ínterim que inclinei-me com mais assiduidade aos estudos, resultando daí minhas aspirações e informações às causas do entendimento. E uma antiga paixão voltou a reacender e reascender paralelamente com as atividades didáticas do momento. Fascinei-me ainda mais pela elegância e beleza da arte cinematográfica, sobretudo sua magia de arrebatamento poético-visual. Era o fabulário dando continuidade à minha imaginação. Era uma nova batalha que reiniciava meu aprendizado na ilusão de uma pequena sala escura a delirar com um clarão de seres em movimento. Era a arte querendo imitar a vida.

Neste curso da existência revelei uma paixão que me levou às nuvens, uma paixão iniciada na puberdade, quando menino besta de calça curta. Desta feita um sentimento sublimável, inatingível e inatendível. E nada podia ser feito pelo amor que nascia como se viesse das trevas. Ficava triste diante de um quadro além mar, além amores. Portanto, a minha única alegria seria ir ao cinema e admirar aquela mulher nos filmes. Marilyn Pauline Novak era o nome dela, uma espécie de feitiço na minha outra ilusão. Na tela grande, com o nome artístico de Kim Novak, eu pude me deliciar com o que via diante de mim a deixar o meu corpo em um estado orgástico. Que não me deixem mentir, principalmente, os filmes Férias de amor e Um corpo que cai, ambos a mostrar sua beleza singular.

ESPAÇO LIVRE


CHOQUE

Encontro-te!
Em silêncio, sensual
desejosa de amor.

Na tarde de chuva
passos inquietam teu olhar
naquela longínqua calçada.

Buscas um grito de tormento
(onde pássaros voejam)
desesperado apelo em vão.

E no súbito anoitecer
mãos estranhas estrangulam
vidas vindas.

No medrar entre duas
existências:
a minha e a tua.

Bené Chaves

por benechaves às 20:35