perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



quinta-feira, junho 30, 2005

VIGÉSIMOS SÉTIMOS ALUMBRAMENTOS


Estava, portanto, eu ali, procurando me insurgir contra aquela combatível organização e camada social suja, às vezes dolosa. Participava, em parte, da mesma, mas nunca deixei de vê-la com olhos desconfiados, porque supunha acreditar que era um corpo associativo falso, somente vivendo de aparências, retaliações, ganhos, fuxicos e rabugices. Poucos se incluíam fora dessa qualidade ilegítima. E muitos políticos de minha cidade... Ah!, os políticos... Nem pensar, como são reles!(Gupiara, quão bela e ingênua eras tu pra ter suportado tamanho suru!). Mereciam um capítulo à parte.

Mas, eram iguais entre os outros, faziam acordos e conluios, acertos e desacertos. Imitavam admiradores e também desafetos. Viviam numa gangorra entre si e seus pares. E no final de tudo sobrava inteirinho para a população, embora os sobejos da politicalha fossem degustados com avidez, porque a demagogia dessa gente não tinha limite, moldava-se na enganação. Sabia que a política era uma ciência séria, sem meios escusos, uma arte estratégica de bem dirigir e conduzir o povo. Porém, a maneira hábil de agir da maioria dos astutos mandatários nada tinha com a modalidade aplicada. Alguns, logicamente, como foi dito e repisado aqui, cuidavam mais de seus bolsos e projetos pessoais do que dos interesses da comunidade. Inclusive porque eu já iniciara os passos, a saber, que a grana era e é a mola-mestra que rege o mundo e também as vantagens materiais de quem detêm o poder, daí trazendo uma hipotética felicidade para poucos e uma verdadeira miséria para outros muitos.

Era a dura realidade da ambição, do bem-estar individual. E por que não dizer de uma safadeza inerente? Portanto, a tolerante e inocente Gupiara estava sendo tragada pela tramóia dos que ali ordenavam, me deixando desgostoso e infeliz, pois tinha consciência da solércia e sôfrega corrente implantada. Também... A ignorância e suprema precisão da maioria abriam caminhos... Não existia nenhum interesse em educar ou melhorar as condições dos que viviam à margem de um sistema perverso. Seria o ditame de uma vida infame!, costumava eu exclamar e reclamar. E, decerto, uma ilusão a mais e outra esperança a menos.

ESPAÇO LIVRE




ALGUMAS TRILHAS SONORAS FAMOSAS...


Nino Rota no filme OITO E MEIO, de Federico Fellini
Henri Mancini em A MARCA DA MALDADE, de Orson Welles
Allain Romains na fita MEU TIO, de Jacques Tati
Elmer Bernstein em O HOMEM DO BRAÇO DE OURO, de Otto Preminger
Nino Rota no filme ROCCO E SEUS IRMÃOS, de Luchino Visconti
Victor Young em OS BRUTOS TAMBÉM AMAM / SHANE, de George Stevens
Dimitri Tiomkin na película MATAR OU MORRER, de Fred Zinnemann
Nino Rota no filme A DOCE VIDA, de Federico Fellini
Victor Young em JOHNNY GUITAR, de Nicholas Ray
Anton Karas em O TERCEIRO HOMEM, de Carol Reed
Bernard Herrmann no filme PSICOSE, de Alfred Hitchcock
Charles Chaplin em LUZES DA RIBALTA, de C. Chaplin
Maurice Jarre em A FILHA DE RYAN, de David Lean


BENÉ CHAVES












































por benechaves às 14:10