perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sexta-feira, junho 10, 2005

VIGÉSIMOS QUARTOS ALUMBRAMENTOS


Gupiara já vivia seu clima de quase insuflação, sendo constantemente abordada para fazerem dela um grande empório. Era o inevitável progresso às portas de uma outrora e pacata cidade, batendo com suficiente força para arrombar suas dependências. Mesmo depois de uma obstinada, mas perdida luta contra tal conjetura. E eu sabia, lógico, que nada poderia deter aquelas mudanças, pois mais cedo ou mais tarde viveria e vivenciaria os acontecimentos. Seria outra batalha ineficaz, desta feita, no âmbito social. Insucessos que só viriam em detrimento de um povo alheio ao andamento do que se sucedia. Era um prognóstico inaceitável. E outra ilusão!

Contudo, diante dos problemas que começavam a surgir, percebi novos e nobres horizontes, facilitado pela percepção que tinha dos fatos acontecidos ou a ocorrer. Passei anos dedicando-me também a tentar e desejando concluir algum curso superior, era evidente que teria uma vida inteira talvez repleta de inquietações e possíveis hostilidades. Isto é: se nenhum acaso desagradável viesse a interromper aquele trajeto iniciado. Namorei pouco ou quase nada neste ínterim, sempre com o cuidado de não ser molestado nas supostas e acho que falsas abordagens. As meninas já estavam bem crescidinhas e muito mais sabidinhas. E, então, as rivalidades ocultas teriam melhores chances de se manifestarem. Sabendo-se que dentro delas mesmas existiam tais desejos nas disputas internas ou externas entre si.

E em intervalos quase regulares parece que eu não tomava jeito de maneira alguma (ah, as mulheres!), porque terminei me enrabichando por uma garota chamada Rosilda, detentora, esta sim, de um porte físico que me fez estremecer. Ela tinha uns vinte anos, por aí ... Aliás, sempre apreciei uma garota com esta perfeição. E quem não a apreciaria? Quando ia para a praia com a mesma, ela colocava um biquíni amarelo que deixava transparecer o belo formato de seu corpo, principalmente se aquele morenaço saísse de dentro do mar com a peça grudada e visualizando detalhes sensuais, os pêlos do púbis a aparecer como um triângulo apetitoso para minha libido.

Então, bom mesmo seria quando a gente adentrava naquele ainda límpido oceano. Ao nadarmos alguns metros e com a água já acima da cintura, eu deixava meu corpo e o dela flutuarem na sutileza das ondas. Ali, na imensidão, a esfriar e ao mesmo tempo esquentar nossas vontades, fazíamos o que fosse preciso. E, logo a seguir, depois de um bom relaxamento saía eu e Rosilda satisfeitos do intento realizado, o riso a transbordar de contentamento em ambas as faces.

Sei não... Acho que ainda não tinha praticado um ato que atestasse um sublime prazer como aquele dentro das águas mansas de uma das praias nos arredores de Gupiara. Nós purificamos e chegamos ao êxtase num momento quase divino entre duas pessoas em um relacionamento sexual. Foi uma sobrecarga de exaltação que na idade que estava levou-me a uma infinda sensação de delírio. E claro que da Rosilda também. Dir-se-ia que teria sido um terno e quase eterno vôo dentro do mar.

ESPAÇO LIVRE


ALTERNÂNCIA



Vasculho teu corpo febril
perscruto-o com emoção
apalpo-o porém sutil
vejo-o na devoção
imagino-o com ardil
penetro-o na ação
olho-o depois gentil
e canto-lhe uma canção.

E ele reflorescerá juvenil
como labaredas existenciais.

Bené Chaves

por benechaves às 15:32