perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



domingo, maio 29, 2005




VIGÉSIMOS PRIMEIROS ALUMBRAMENTOS


Antes, porém, da desordem final e na ânsia de mixórdia pré-estabelecida no primeiro caso, quando de meu bilhete amoroso, Gracita tinha escrito algo no papel e jogou-o no bolso de minha calça. Queria, com certeza, que fosse lê-lo somente em casa. Estava, contudo, aflito e abri-o no caminho, quando pude sentir que ela de fato e de direito gostava de mim. Aparentemente acho que sentia algo, sei lá... Percebam, portanto, o que a mesma redigiu com meiguice e brevidade:
Meu querido, teu nome irradia paixão

Perdão? E também razão...

Ilusão? Não! Magia? Sim!

Teu corpo mexe minha vida!

Vi um deslumbramento nestas palavras, como se ela, Gracita, estivesse numa demonstração de carinho nunca antes oferecida, apesar de certo plágio no estilo de seus curtos versos. Mas, valeu sua intenção. Seria lógico dizer, então, que dois corpos e uma só mente estariam se unindo. Bem... Na visão que tinha de minha juventude, com certeza e exatidão uma visão longe do que consistia a realidade existencial. Os acontecimentos não eram assim como a gente desejava, eles se apresentavam intempestivos e intemperantes. Inclusive porque depois não houve nenhum acordo, muito menos perdão, se seria esta a palavra certa. Aliás, palavra interrogada nos seus versos. Tudo, enfim, dissipou-se num infeliz dia, para tristeza minha e, creio, de Gracita. Desmoronaram nossa magia?

Mas, então, quando cheguei à sua casa, já senti o ambiente incomum e fui logo abordado do inusitado incidente. Claro que fiquei perplexo com aquela estória absurdamente indefinível e delirante. E como não tive receptividade dos argumentos relatados...
Ah, as mulheres!... Agem mais com a paixão, o arrebatamento, do que com a razão. Talvez fossem fatos isolados e frutos da pouca idade das mesmas, aqui, no caso, quase uma menina. Parece-me que bastante geniosa. Portanto, vi que se tratava de um assunto intrigado e emaranhado. A pessoa a quem incumbiram de tais relatos os fez sob rigorosa intransigência e sem brechas para qualquer defesa, articulando com cuidado seu intento e sua astúcia. Pareceu-me até coisa de cinema, com possibilidades reais de um dramalhão mexicano.

ESPAÇO LIVRE



F I L M E S DECEPCIONANTES ( Diretores conhecidos ).



q
A ANGÚSTIA DE TUA AUSÊNCIA (Jean Negulesco)
q LÁGRIMAS DE TRIUNFO (George Sidney)
q VENDAVAL DE PAIXÕES (Cecil B. De Mille)
q BALADA SANGRENTA (Michael Curtiz)
q HIENAS DO PANO VERDE (Blake Edwards)
q ALIANÇA DE AÇO (Cecil B. De Mille)
q ASSIM MESMO EU TE AMO (Jean Negulesco)
q QUANDO O AMOR É PECADO (Robert Siodmak)
q OS DEZ MANDAMENTOS (Cecil B. De Mille)
q PRECE PARA UM PECADOR (Frank Tashlin)
q DAVID E BETSABÁ (Henry King)
q RENÚNCIA DE UM TRAPACEIRO (Francesco Rosi)
q ANASTÁCIA (Anatole Litvak)
q SUAVE É A NOITE (Henry King)
q SANGUE ARDENTE (Nicholas Ray)
q JURAMENTO DE VINGANÇA (Sam Peckinpah)
q A CHAVE (Carol Reed)
q NO CAMINHO DOS ELEFANTES (William Dieterle)
q NOITE DE PÂNICO (Julien Duvivier)
q O PASSAGEIRO DA CHUVA (René Clément)
q OS INSACIÁVEIS (Edward Dmytryk)
q O TIGRE SE PERFUMA COM DINAMITE (Claude Chabrol)
q A RONDA DO AMOR (Roger Vadim)
q QUATRO HERÓIS DO TEXAS (Robert Aldrich)
q SANSÃO E DALILA (Cecil B. De Mille)
q TEMPESTADE SOBRE WASHINGTON (Otto Preminger)
q EM NOME DO DIABO (Marco Bellocchio)
q CANDELABRO ITALIANO (Delmer Daves)
q O HOMEM DO RIO (Philippe De Broca)
q A QUEDA DO IMPÉRIO ROMANO (Anthony Mann)
q TEXASVILLE (Peter Bogdanovich)
q DIÁRIO DE UM VÍCIO (Marco Ferreri)
q CASSINO (Martin Scorsese)
q DO OUTRO LADO, O PECADO (Stanley Donen)
q BARRABÁS (Richard Fleischer)

Bené Chaves









por benechaves às 10:03