perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



terça-feira, maio 24, 2005

VIGÉSIMOS ALUMBRAMENTOS

A grande rivalidade existente entre uma pessoa querida e a outra que prejudica ou fere, delimita a distância que cerca o mal do bem. Aí, então, você fica totalmente sem ação quando o primeiro substantivo masculino engole com facilidade o segundo. Mormente em se tratando de questões puramente sentimentais, porque é mais fácil você difamar e ter um respaldo de gente insidiosa do que procurar avivar o aspecto verídico da questão.

E foi o que aconteceu num lance posterior comigo e minha namorada.Tanto que debati e rebati o assunto, mas parece que pisei numa tecla em falso. Melhor dizendo: pisaram. Então, a querela voltou com todo gás. Pior ainda: uma incógnita flutuou no ar, passado; flutua no ar, presente e com certeza flutuará no ar, futuro. O verbo aqui conjugado nas suas três formas. Mas, o correto é que Gracita soube... Será que soube mesmo ou foi apenas um pretexto? As mulheres e seus mistérios desde cedo... Eis aí, portanto, a minha dúvida. Resta alguma dúvida?

O problema foi fuxicado e em conseqüência disso esticado, negócio de inclinação para inclemência. Porém, passou-se assim: foram dizer para a ditosa (ou desditosa?) Gracita que eu tinha ido ao cinema com uma garota. Pode um troço desse, a maledicência voltar a todo vapor? Não sei... Parece coisa de inveja, invenção, inversão ou investida. Fiquei malvisto. Aquilo foi uma arrelia, um acontecimento de zanga. Claro que tinha ido ao cinema, uma de minhas paixões desde então. Contudo fui sozinho, nada de companhia. Talvez alguém me viu e resolveu contar sua estória, olhando o lado perverso e depois rindo à toa do acontecido. O estranho nisso tudo, porém, é o nome do filme, um faroeste com os atores Kirk Douglas e Jeanne Crain: Homem sem Rumo, do cineasta King Vidor. E coincidentemente, ou não, estava eu lá no cinema. Pois é, fiquei sem rumo nessa trama ou trapaça. Melhor dizendo: duplamente sem paradeiro.

A vida, diante de tantos enredos, além de seus marruás maldizentes, é asselvajada, inflexível. Diria até que ela é paradoxal. Ou são seus astuciosos habitantes? Tudo se configura ambíguo, nada é como se apetece, pois interferências outras chegam inesperadamente e os fatos honestos não são executáveis. As coincidências marcam, às vezes, a sorte das pessoas, como também a desgraça. E efetuam-se, depois, o desejável ou o detestável. São as chamadas conseqüências e inconseqüências de uma existência, quem sabe, talvez danosa.

ESPAÇO LIVRE



PROMISCUIDADE


O mundo está mudo...
Munido de droga, lixo
luxo, sexo, dinheiro e
desvairada corrupção.

Unido de família, religião
farsa, hipocrisia, alienação
e pseudo-sacramento.

O mundo está imundo
e desunido de
guerra
paz
amor
paixão.

Bené Chaves

por benechaves às 21:10