perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



terça-feira, maio 03, 2005

DÉCIMOS SEXTOS ALUMBRAMENTOS


É certo, então, que Gracita (era como eu a chamava) despertou em mim uma atenção logo de início. Fiquei entusiasmado vendo tão doce menina ao meu lado quase todos os dias, ou melhor, quase todas as noites. Poderia muito bem está exagerando e tecendo comentários alheios à verdade, pois não posso provar o que estou dizendo, mormente quando tudo não passa de palavras escritas. Inclusive porque minha imagem adolescente era essa. Eu via as coisas na plenitude daquele estágio jovem, talvez desapercebendo o que viesse a ser de verdade. Para mim era outro momento sublime que teria de aproveitá-lo na sua essência. Contudo, tenho absoluta convicção de que os leitores acreditarão no que estou a dizer. Visualizarão os detalhes descritos, com certeza, ou construirão um retrato falado. Melhor dizendo: escrevinhado.

Porém quem conheceu, na época, a pessoa a que me refiro, lógico que me dará razão. Só que seria impossível (e nada também que pudesse voltar àquele período) um contato direto, claro, não interessando a ninguém, pois tal garota só deve existir, no presente (com sua beleza em evidência) através de fotografias. E eu as perdi, tanto uma como a outra, ao longo de minha existência. O que passou, infelizmente, são fatos irreversíveis. Ficam apenas a descrição, as sombras e réstias de uma época finda. Uma época de saudosa memória, daquela menina de pele morena e suave, de rosto deslumbrante, onde seus olhos desassossegados me abasteciam de prazer. Não gosto nem de pensar ou descrever o que o tempo destrói com seus passos implacáveis. É duro você ter de presenciar o desgaste em doses meio homeopáticas de um bom período vivido na sua juventude.

E a minha Gracita (que intimidade já, hein?) foi alvo, no medrar de uma paixão, de alguns versos que elaborei. Um canto em que exaltei seu encanto, compartilhando, averbando e avivando tal união. Eis o que fiz, no arrebatamento da oportunidade:
Mar /ia, na melancolia
enigma, agonia.
Na vida...
Teu nome emite o quê?
Impulso, pulso, depressão, pressão.
É um nome singelo
e sem dúvida belo.
Teu corpo é ternura, carinho,
desejo e tesão.
Sexamor ou desamor?
Palavra mulher... Símbolo.
Invenção e magia.
Sofreguidão ou comunhão?
Teus olhos me iluminam
de sexo e ação.
Ah, quanta inquietação!
Mar /ia, Maria: tristeza, alegria.
Quão meigo encanto e
devastador imanto!

Pareceu-me atrevimento tal texto para uma menina-moça, inclusive por estarmos iniciando um namoro. E principalmente naquela fase adolescente. Mas, eu nem sabia mesmo o que fizesse na minha imaturidade. E o poema saiu assim, talvez com uma linhagem própria da fase que vivia.

ESPAÇO LIVRE


CANDURA



No escurinho de meu quarto eu não vi
aquela moça acenando tristemente
a música feia e insossa na janela
o carro que corta a madrugada
a violência sempre desfraldada
o ladrão feito gato no telhado
aquele político vil e safado
o olhar malicioso da vizinha
o grito gostoso de um orgasmo
e o homem no maior marasmo.
Também não vi naquele escurinho
as crianças surradas pelos pais
a mulher brigando com o marido
aquela voz da prostituta cantora
e a trepada do casal no matagal.
Tudo isso não vi, porque estava
sonhando com a inocência.

Bené Chaves

por benechaves às 19:42