perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sexta-feira, maio 20, 2005

DÉCIMOS NOVOS ALUMBRAMENTOS


Fiquei surpreso diante da atitude de carinho de Gracita e retribui-lhe o afeto com um leve beijo na face, sem antes olhar se via algum vulto ao redor. Tinha medo que aparecesse alguém e tudo fosse por água abaixo. Eu estava abatido, perplexo mesmo diante de acusações e frustrações de pessoas alheias a um convívio sadio, com toda certeza pessoas malambeiras. Não tinha sido mole a encrenca que fizeram, mas, agora, parecia ir tudo bem. Pelo menos aparentemente... Ou seria alguma simulação, um interregno?

Passado o incidente de que fui vítima apressei-me a encarar minha namorada com mais assiduidade, procurando sempre estar ao seu lado para evitar posteriores e possíveis pseudoverdades a sua pessoa. Não iria admitir que inescrupulosos e maldizentes fossem interferir na nossa relação. Era, sem dúvida, gente inditosa querendo desenlaçar aquela união adolescentemente sacudida. Dito e feito parti como se fosse para uma batalha. Uma inconcludente, inarredável, paradoxal e gostosa batalha.

Portanto, tudo seguiu, dali em diante, seu rumo normal e sem novidades. Alvíssaras!... Como as coisas eram ainda delicadas e se tratando de um namoro recente e logicamente na pós-puberdade, Gracita saía comigo sempre acompanhada de um parente. Claro que eu não gostava da atitude de seus pais, pois pareciam ver-me como uma pessoa sem confiança. Mas, eram os hábitos da época, embevecidos por uma sociedade sempre faladeira. Aliás, esta prática é antiga e talvez sujeita a conservar-se anos seguidos, pois desde períodos rudes e rudimentares ela permanecia entre nós. Infelizmente numa escala ainda calamitosa para aquele momento de então. (Aos poucos, no entanto, ficou-se sabendo de seu desuso, devido mais a uma insolência dos jovens e do avanço do tempo e menos da intransigência de alguns rígidos pais).

Paralelamente à insensatez de alguns, pude, claro, preservar minha insígnia e mostrar também que era um jovem correto e que em todo o tempo buscou a verdade. Minhas amigas e amigos que o digam, como também antigas paqueras. Atormentasse ou não, avaliava uma vida melhor para todos. E que as pessoas conseguissem, num curto espaço de tempo, a liberdade avocada. Mesmo que fosse arrotada na base do sacrifício, em combates de qualquer natureza.

Porém, nem tudo são flores neste mar de amores e desamores, sabores ou dissabores, já dizia dona Dolores.(A senhora em questão era uma velha prudente e que calculava com profunda sabedoria suas frases lapidares, ensejando inclusive aqui uma rima com seu próprio nome. Acudo-me, portanto, de suas virtudes). E no caso de meu namoro com Gracita, o mal voltou a sobrepujar o bem, enquanto substantivo masculino.

ESPAÇO LIVRE



ESPELHO



Na ilusão perdida vi a
tentativa de rejuvenescer
teu corpo triste, curvado.

E a imagem doce acolhendo
as últimas esperanças.

Aquela de ser como símbolo
da vida imortal.

Lutando contra o acaso
enfurecido de desejos
ante olhares de títeres.

Bené Chaves

por benechaves às 11:04