perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



segunda-feira, maio 16, 2005

Compartilho hoje com vocês do comentário que fiz sobre As Aventuras de Robin Hood, filme de Michael Curtiz e que foi publicado na Tribuna do Norte há dez anos atrás.


AS AVENTURAS DE ROBIN HOOD


De um total de cinco versões (inclusive uma em desenho animado), esta fita da dupla Michael Curtiz & William Keighley (cujo nome consta apenas nos créditos, pois logo cedeu o lugar ao primeiro) é seguramente a melhor de todas.

As Aventuras de Robin Hood, produção 1938, conta a história da famosa lenda extraída dos livros de Walter Scott. No século XII, surge, na Inglaterra, um fora-da-lei, um justiceiro que rouba dos ricos para ajudar aos pobres. Na tentativa de debelar a tirania do príncipe João que se apodera do trono na ausência do rei Ricardo Coração de Leão, o lendário personagem espalha sua força pela floresta de Sherwood empenhado em atenuar o sofrimento daquela gente pobre. Aí entra o aspecto social da questão, como a exploração, a cobrança de gordos impostos (ah, sempre os terríveis e cruéis impostos...) e conseqüentemente as injustiças decorrentes de tais imposições.

A diversidade de opiniões e atitudes é aqui mostrada e levada às últimas conseqüências. E o que é pior: entre dois irmãos. Enquanto o bondoso rei Ricardo é querido e amado pelo povo local, seu rival, ou seja, o príncipe João, é odiado e execrado pelos mesmos habitantes. Revela-se, então, a disputa entre familiares, que dizem ser pior do que entre estranhos. É a ganância pelo poder, pelo dinheiro e também autoritarismo, mais uma excrescência de tantos que correm para sugá-lo.

E remonta-se, portanto, em uma versão moderna (embora ainda no século XII) de uma passagem da Bíblia, quando Caim e Abel eram partes extremas. Um representava o Bem e o outro o Mal, de onde surgiam desde aquela longínqua época disputados embates entre ambos. Daí a vida ainda seguir nesta corrente infindável de orações e devorações.
Clássico do gênero de aventuras, a fita de Michael Curtiz (Casablanca, 42) traz um ator (Errol Flynn) no rastro de seu sucesso em Capitão Blood (do mesmo Curtiz, realizado em 1935) vivendo um tipo sedutor, sagaz, ousado. É sem dúvida, como já falamos, o melhor Robin Hood que já apareceu nas telas, pois muito se disse e se falou do bonachão Flynn no papel de grande conquistador. Basta dizer que as mulheres da época foram literalmente seduzidas pelo ator/personagem. Correram, inclusive, notícias de que o mesmo tivera um caso com a atriz do citado filme. E como viviam brigando entre ciúmes e traições, a Olívia de Havilland ficava com tanta raiva que chegava ao extremo de colocar pimenta nos seus lábios para que o personagem não a beijasse com demasiada freqüência. Ou com demasiado ímpeto.

Alegre e movimentado, As Aventuras de Robin Hood não deixa de ser libertino, irônico, pois, participando de cenas audaciosas, o personagem também acrescenta um senso de humor e deboche que certamente enaltecem o valor do filme (vide o famoso duelo de espadas no final, considerado relevante para a época).

E um dos pontos altos também é a trilha sonora, que com certeza fustiga as cenas de ação. Assim como a doce e meiga (sem levar em consideração os apimentados beijos) Marian (Olívia de Havilland, linda) dando mais vitalidade a um jovem sedutor. Quem não gostaria de tê-la nos seus braços?

O filme de Michael Curtiz claro que influenciou sobremaneira as fitas de capa-e-espada dos anos posteriores, como deixou também patente a denúncia inicial das injustiças sociais, das arrogâncias/ganâncias e toda uma gama de iniqüidade e desafeição inseparáveis do mundo atual.

ESPAÇO LIVRE

AINDA SOBRE A JUSTIÇA...



Þ O irreverente e moderno filósofo americano Barrows Dunham, autor do excelente O Homem contra o Mito (Editora Civilização Brasileira S/A, 1966), corroborando opiniões outras, deu uma sentença final: parece até que quanto maiores os lucros da injustiça, maior a segurança dos que a cometem. Por conseguinte, não mais acreditamos que a razão controla a vida. Entendemos que a vida controla a razão. Dito isto e proclamando um certo niilismo, completou o pensador Oswald Spengler: a vida não tem finalidade. A humanidade não tem finalidade.
Mas, o homem bom, o homem feliz, é aquele justo, harmonioso, o homem cujas qualidades de caráter, perfeitamente aplicadas, executam sempre a nota certa na sinfonia da cooperação social, finalizou o filósofo Platão.
E novamente apelamos para o pensador Barrows Dunham quando ele diz que uma sociedade na qual ninguém jamais fez algo em benefício dos outros seria uma sociedade na qual nenhuma divisão do trabalho poderia existir. Dificilmente seria, a rigor, uma sociedade.

por benechaves às 09:00