perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sexta-feira, abril 29, 2005

ENTREVISTA SOBRE LITERATURA DA LÍNGUA PORTUGUESA


Resolvendo, finalmente, aceitar as indicações, em primeiro lugar, do Manoel Carlos (Agrestino), depois da Ilmara (Bisbilhoteira), também de nossa amiga Amita (brancoepreto), da Borboleta Azul (Borbo2005) e de Marta Matos (Minhas Idéias), eis minhas respostas ao divulgado questionário sobre a Literatura da Língua Portuguesa. Quero, outrossim, informar que não me prenderei somente aos autores da citada língua, contrariando um pouco a finalidade da entrevista, como também alguns fizeram. Mas, vamos ao que interessa:

1. Não podendo sair do Fahrenheit 451, que livro quererias ser?

A obra do escritor Guimarães Rosa.

2. Já alguma vez ficaste apanhadinho (a) por um personagem de ficção?

Entre alguns outros citarei o personagem Macunaíma, do livro homônimo de Mario de Andrade, o chamado herói sem caráter ou um anti-herói. E recorro ainda a dois personagens da literatura estrangeira: um masculino e outro feminino. Na primeira alternativa cito o extraordinário personagem Aureliano Buendía, do romance Cem anos de solidão, do colombiano Gabriel Garcia Márquez. E na segunda, a não menos extraordinária Ana Paúcha, do livro Ana-Não, obra definitiva do escritor espanhol Agustín Gómez-Arcos.

3. Qual foi o último livro que compraste?

Comprei e lerei brevemente Ensaio sobre a cegueira, do escritor José Saramago.

4. Qual o último livro que leste?
Li alguns autores norte-riograndenses, como o Moacy Cirne (Luzes, sombras e magias), o Bartolomeu Correia de Melo (Lugar de Estórias) e o livro organizado pelo Ruy Castro Um filme por dia (Crítica de choque ? 1946- 73), do Antonio Moniz Vianna.

5. Que livro estás a ler?

No presente momento dei uma breve trégua. Estou compondo, passo a passo, uma espécie de autobiografia e divulgando neste meu blogue. Talvez a história de Gupiara (cidade que existiu e não existe mais, infelizmente) vista através dos olhos críticos desde a infância, depois adolescência e posteriormente fase adulta de mim mesmo. E seus alumbramentos: sejam sexuais, sociais, existenciais e morais ou fundamentais.

6. Que livros (5) levarias para uma ilha deserta?

Não tenho interesse algum em ir para uma ilha deserta. Basta a ilha de pedra em que vivemos. Mas, poderia ir numa condição muito especial. Se pudesse voltar no tempo e levar comigo as belas mulheres que fizeram parte de minha existência, além da linda, na época, claro, atriz Kim Novak. E na minha exigência, preferiria que elas se alternassem nas cores, ou seja, algumas loiras, outras morenas e também ruivas. Arrumaria, então, a bagagem com as mesmas e os seguintes livros, muito mais do que os cincos que pediram: do escritor Machado de Assis levaria Memórias póstumas de Brás Cubas e Dom Casmurro, do contista Rubem Fonseca poderia levar Feliz ano novo e O Prisioneiro. Levaria também alguns contos do Aníbal Machado e também do Ivan Ângelo, fora o Corpo vivo, do Adonias Filho. E a obra poética do Carlos Drummond de Andrade, juntamente com outro mineiro, o Luiz Vilela e seus belos contos. Sem falar em Angústia e Memórias do Cárcere do Graciliano Ramos e o Corpo de baile, do Guimarães Rosa. Também não me esquecer da Clarice, a sempre Lispector (que apesar de ter nascido na Ucrânia, veio para o Brasil com dois anos), autora, evidentemente, consagrada no nosso país.
E a língua estrangeira, o que nos traria: levaria alguns livros do Franz Kafka, entre eles O Processo, e o livro de Thomas Hardy Judas, o Obscuro (belíssimo romance e um dos meus primeiros alumbramentos literários), além de Albert Camus e o já citado Ana-Não. Levaria também O apanhador no campo de centeio, de J. D. Salinger. E poderia levar O amante de Lady Chaterlley, de D. H. Lawrence, que dividiria leitura com minhas parceiras.
Mas, são tantos os livros, hein?

7. A quem vais passar este testemunho (três pessoas) e por quê?

Passarei este testemunho para três amigas queridas:

1. Ângela, do colcha de retalhos (
http://anjosa39.zip.net/ )

2. Marta, do minhas idéias (
http://martamatos.blog.uol.com.br/ )

3. Keila, a Loba (
http://uivosdaloba.weblogger.terra.com.br/ ).


ESPAÇO LIVRE

Compartilho hoje com vocês de outro bonito poema do amigo e poeta Horácio Paiva (Natal):


EPITÁFIO


hoje eu não estou só
mas com todos
e com tudo

sou a noite

ou talvez
a extrema impossibilidade da morte

por benechaves às 14:45