perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



segunda-feira, abril 25, 2005

DÉCIMOS QUINTOS ALUMBRAMENTOS


E, então, da melhor maneira possível, no começo, meio às escondidas, enfrentei e pus em jogo minha nova afeição adolescente. Encontrava-me no apogeu, acho que com 17 ou 18 anos, e sedento de carícias e outras coisas, querendo vivenciar o momento como se fosse um longo prazer. Embora soubesse que dali poderia sair apenas mais uma ilusão. Longe, contudo, de meu primo, que deve ter se entendido ou não com Mirtô.(Soube depois que ele acabara seu namoro e fora estudar fora da cidade, esperneando-se para não fazê-lo, já que ficaria longe de tudo e logicamente de suas almejadas conquistas. Na certa deve ter feito alguma estripulia ou não quisesse estudar com afinco. E a pobre da Mirtô ficava na espera de um possível e breve retorno). Pareceu-nos que ela esperaria uma decisão dele, mesmo sabendo de sua inesperada ida para outra cidade.

Eram as facetas e piruetas da vida, passadas, presentes, repetidas e suplicadas, pois tudo ia e vinha, acabava e depois retornava, esparramava-se e logo a seguir amasiava-se, tudo discreto ou leviano e novidadeiro. Seriam os aspectos e características das possibilidades existenciais, dos redemoinhos e dúvidas, incoerências ou harmonias. Dessa colateralidade ou retilinidade do estar ou não, de um inseparável e depois afastamento gradativo (por que não dizer súbito?) de uma convivência. Eram, enfim, as ausências sentidas e logo em seguida evidenciadas de um cessar de tudo, que seria a própria morte.

Portanto, minha nova e bela pretendente chamava-se Maria das Graças, uma gracinha de pessoa, no auge de seus 13 ou 14 aninhos. Novamente uma idade patamar para os meus relacionamentos. Mas, acredito que tenha sido apenas uma coincidência, sei não... E, dela, a garota, ah!, o que falar? Sei que estava ainda em formação, os peitinhos crescendo vivificantes e apressados e o corpo delineando-se na pele morena e já viçosa. Sua face, bonita e detalhada, afeiçoava-se no aspecto abrangente. Poder-se-ia dizer que aquela cútis trigueira moldava-se e perfilava-se com serenidade, oferecendo, desde já, um belo formato para o conjunto limitado. Seria, sem pestanejar, com precisão e certeza, uma formosura de mulher.

Pois é, estava diante de mim uma garota em crescimento, uma tessitura, imaginava, inigualável. Dali em diante, a esplêndida menina-moça em questão passaria pelas diversas fases da vida. Poderia se encantar ou se decepcionar, sentir poucas alegrias e muitas tristezas. Ou vice-versa. Eram os encantamentos e desencantamentos que viriam de ano em ano. E depois ela estaria adulta e desassombrada para os transtornos e também adornos de uma existência. Quem não se apaixonaria?

ESPAÇO LIVRE


TRAJETO AO ORGASMO


Nos teus olhos verdes
a esperança.
E o encantamento.
Nos carnudos lábios
o meu desejo.
E a sagacidade voraz.
Nos seios volumosos
minha inquietude.
E o bêbado arroubo.
Nos quadris delineados
o cego tateamento.
E minha volúpia.

E na vagina febricitante
ato contínuo e final.


Bené Chaves

por benechaves às 21:05