perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



segunda-feira, março 07, 2005

NONOS ALUMBRAMENTOS


Alba era uma garota tímida, como a maioria das meninas do período. E também eu não ficava atrás. Portanto, dois inibidos tentando florescer um relacionamento juvenil e, acho, sem maiores pretensões. A continuidade e o desejo poderiam vir ou não com a sucessão dos dias ou meses. Mas, poder-se-ia dizer, contudo, que ela já era uma mocetona, naquela aparência e exuberância cultivadas no corpo modelado e em constante desenvolvimento. Neste aspecto, não tinha do que me lastimar. Quando escrevo tais palavras me dá uma saudade enorme do tempo passado, uma ânsia imensa talvez de revê-la, mesmo supondo saber, lógico, de seu caminhar para a maturidade ou de seu avançar para a detestável e iminente velhice. Ou então, o pior, quem sabe, que seria a sua própria morte. Credo, credo!

E a Mirtô, o que teria acontecido com ela? Nada sei, apenas que depois terminou tudo com meu primo. Tenho impressão que as duas devam ter seguido caminhos opostos. Algo certamente obscureceu nossos convívios. E anos depois dando uma espiada nas ruas que moravam via apenas vislumbres de velhas casas deterioradas ou edifícios em construção. Nenhum rastro de suas pegadas (e nossas) anteriores. Haviam sumido no espaço, nas andanças cotidianas, no alheamento de um progresso, restando um vazio e uma lembrança nostálgica que jamais saberia ou poderia resgatar. Elas eram, entre outras, e são ainda minhas dúvidas. A vida é minha dúvida, tudo enfim não passou e não passava de uma ilusão.

Oh!, meu Deus, quanto a existência é cruel também neste aspecto: separar as pessoas e nunca mais se ter notícias de um grande amor ou mesmo uma grande amizade. O passar e o repassar distorcem tudo, fazem desaparecer rápido os instantes sublimes e enaltecer as destemperanças. Porque a vida poderia ser apenas uma sorte ou um azar. Seria então um fato verdadeiro ou somente uma lenda? Eis aí o desmedido enigma do ser humano, a minha maior incógnita também.

Porém, apesar de tudo e de todo o pesar, Alba ainda estava ali, na sua singela e meiga figura, procurando exaltar e enamorar minha adolescência. Quão inocentes éramos todos nós! E eu não queria que aquela suposta ingenuidade fosse abalada. Não no sentido de olharmos um previsto mundo feio ao redor da gente. O momento que se vivia era lindo para ser desfeito na minha imaginação. E a menina-moça Alba seria, a partir do instante presente, minha divina ninfa. Meu primo também já se encantara e animara com a bonita Mirtô, na fervura, que me dizia, de ter-lhe assombreado e assoberbado seu corpo. Desde dali e dalém, a gente passou a freqüentá-las mais assiduamente.



ESPAÇO LIVRE


POSSESSÃO



Quero vê-la
com tesão
tomá-la inteira
no segundo
minuto
hora.

Você é meu desejo
o painel
pincel
ensejo
as cores
de babel.

Sem algum temor
devo fantasiá-la?

Ao extremo gritar
uma finda dor?


Bené Chaves


por benechaves às 11:13