perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



segunda-feira, janeiro 17, 2005

SEGUNDOS ALUMBRAMENTOS


Estou então aqui, na minha pré-adolescência. E farei qualquer coisa para não decepcionar ninguém. Talvez haja alguma discordância quanto a pensamentos, palavras e ordens, porém nada que seja algo discrepante ou insolúvel. Ou ainda que não tenha uma conclusão de ambas as partes. Estarei sempre pronto, portanto, para tentar resolver questões que ocorram. E divergir, caso faça-se necessário.

Tinha também consciência que os pais toldavam nossa efervescência inocente e não se faziam toleráveis. Alguns até exageram nos seus atos. Teriam tais filhos cometidos delitos ou peraltices inimagináveis? Porém, afora essas questiúnculas decorridas, as coisas poderiam voltar ao normal. E minha tenaz vivacidade (arre!) desabrochava-se com todo o ardor que lhe era peculiar, deixando, então, tudo de lado. Todos sabiam das esquisitices de velhos genitores que exigiam muito de uma educação controlada, mas, às vezes, o tiro saía pela culatra. Ou seja: gerações inteiras se revoltavam contra possíveis arbitrariedades.

Mas, deixando de lado fatos pendentes, o resto ia tudo bem, mormente quando se apregoava algo em torno de minha postura como uma pessoa querida e devidamente interessada em assuntos outros que se afinavam verdadeiros. Eu tentava fazer todos acreditarem na minha palavra, pois era uma das únicas (ou poucas?) que realmente valia, dado que nem sempre apareciam alocuções que se assemelhassem com a dita. Caráter verboso?

Então, cresci assim e desse jeito estou. Não tento me gabar de nada, apenas quero exprimir algo que nasceu comigo. É a tal raiz de que falava Painhô. Procuro, também, na medida do possível, repassar para todos, o que tem sido uma tarefa difícil. Porque a gente sabe que é preciso repisar a tecla várias vezes. Depois, claro, devem surgir novos horizontes e tudo se evidencia esclarecedor. Estão atentos ao meu raciocínio?

Tudo é o que é e não adianta meter o pé, dizia o antigo e acomodado provérbio. Desde cedo, no entanto, me veio à mente uma determinação. E, lógico, não vou opô-la a vexames. Portanto, tentarei lutar contra a renitente mediocridade que ainda assola o ser (dito) humano.

Enquanto divagava em questionamentos ambíguos, Painhô aproximou-se trazendo o enorme livro, já de páginas amareladas, que mantinha na sua velha estante. Leia aqui esta passagem, filho. E me entregou o espesso volume. Li em voz alta:

O velhinho vinha vindo sorridente e sem dente. Olhou-me com apreciação. No seu caçar, ele era o dono daquele rancho graúdo e de léguas. Vinha no cavalo, com valimento. Eram reses aos montes, a gente não podia contar em dedos, tinha de imaginar. Os mugidos se espalhavam. A não ser a área imensa, o resto não valia nada. E o esperto velhote saiu tangendo o gado magro para pastar nas vizinhanças. Eh boi! Eh boi! Eh boi!

Sabia que meu pai sempre foi apaixonado por uma fazenda e tudo o mais. Porém, ele interrompeu minhas divagações. Não o reprovo, evidente que não, ele tinha seus arroubos também. E, de certa forma, eu gostava daquele mundão chocho, choco, goro. Eram sinais de uma raiz...

ESPAÇO LIVRE


O amigo e poeta Horácio Paiva (Natal) manda-me um poema para ser publicado. Compartilho, portanto, com vocês, seu novo trabalho:



NOTÍCIAS DO LOBO



O vento uiva em minha porta.

Traz-me notícias do lobo
perdido e faminto
nas florestas da infância...


por benechaves às 11:13