perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



segunda-feira, janeiro 03, 2005

Nada melhor do que iniciar 2005 com um texto sobre o genial diretor Federico Fellini, que tem o seu aniversário de nascimento neste mês de janeiro. E o autor de tal façanha é o amigo e escritor Francisco Sobreira (Natal), que compartilha com vocês o seu comentário. Ei-lo, portanto:


FEDERICO FELLINI

Francisco Sobreira


Em meu primeiro contato com o cinema de Fellini, eu não tinha a menor idéia de quem ele era. Aliás, na época eu ignorava o nome de qualquer diretor. Adolescente, com quatorze para quinze anos, entrava num cinema atraído pelo nome dos atores e das atrizes, pelo título do filme, ou ainda pelo gênero (sendo faroeste, então, pouco me importava quem fosse o ator). O que me atraiu em Na Estrada da vida foi a presença de Anthony Quinn no elenco, ainda que esse ator não fosse um dos meus preferidos; pelo contrário, antipatizava-o, por sempre fazer o vilão.
Dos outros atores do filme eu jamais ouvira falar. E, então, caí na estrada... O filme não me agradou, nem desagradou. A impressão que tive dele foi de algo diferente de tudo quanto tinha visto de cinema até aquela data. É muito provável que a uma certa altura tenha querido abandonar a sala, tão acostumado estava aos filmes que via na época, além de ser privado de um mínimo de visão crítica de cinema. Houve, no entanto, uma cena que me chamou a atenção... Na verdade, foi uma frase dita pelo personagem conhecido por O Louco, numa conversa com Gelsomina. Ao tentar convencer aquela coitada (um dos maiores personagens criados pelo cinema) de que ela não é uma inútil (e que, portanto, o bruto Zampanó precisa dela), ele apanha do chão uma pedrinha e diz que até uma coisinha daquelas tem uma utilidade na vida, só que ele não sabe qual é.
Muitos anos se passaram até que eu voltasse a ter contato com o cinema de Fellini. Já estava morando em Natal, a minha visão de cinema já evoluíra, principalmente por integrar o Cine Clube Tirol. Este exibia uma sessão de arte uma vez por semana, num dos cinemas da cidade, e foi nessas sessões que assisti Oito & Meio, Os Boas vidas, Noites de Cabíria e Abismo de um sonho. O último não consegui ir além da metade, mais ou menos. Não, o filme não é ruim, o caso é que a energia pifou durante a projeção e não foi restabelecida pelo resto da manhã. E assim passei quase quatro décadas sem conhecer integralmente o primeiro filme solo de Fellini, o que só ocorreu no ano passado, via DVD. E passei a acompanhar, pelo circuito comercial, os filmes que esse grande artista realizou depois de 1965.
Ah, Fellini. Em seu recém-lançado Um Filme por dia, o crítico Moniz Vianna diz de Buñuel que este não tem seguidores. Digo o mesmo de Fellini. Seu universo temático, com suas fantasias (não raro, delirantes), suas reminiscências infantis, suas confissões, seus tipos bizarros, seu humor que, às vezes, beira o vulgar, o mau gosto, e aquele ritmo peculiar (no que é muito ajudado pela música de Nino Rota), faz dele um cineasta singular. E talvez o seja, sobretudo, por ser o mais autobiográfico dos diretores. Ele próprio reconhece isso, ao declarar numa entrevista: se um dia fizer um filme sobre um peixe, acabarei falando de mim mesmo.
Qual o seu maior filme? Acho que tem alguns: Oito & Meio, A Doce vida (embora ache que uma, duas ou três seqüências poderiam ser menos longas), Na Estrada da Vida, E la nave va, Amarcord, este, seguramente, o seu filme mais delicioso, que, nesse aspecto, está para a sua obra como Depois do vendaval está para a de Ford. Dele só não gosto de Casanova, Cidade das mulheres e A Voz da lua. Os dois primeiros ainda têm alguns bons momentos, como o ritmo bastante acelerado nos primeiros minutos do segundo e, no primeiro, sobretudo o final. (Falando em final, Fellini tem alguns antológicos. Há na preferência dos cinéfilos quase um consenso sobre o de A Doce vida. É de fato notável a imagem da garota de rosto angelical chamando por um nauseado e fatigado Marcello Mastroianni, em que o diretor nos acena com um pouco de esperança, mas ainda prefiro o final de Oito & Meio: a imaginação de Guido, o diretor, promove a reunião de todos os personagens, de mãos dadas, sobre uma plataforma, enquanto lá embaixo o garoto (Guido-Fellini) forma com três palhaços um lírico e nostálgico quarteto musical. Devem ser também lembrados os de Noites de Cabiria e de Na Estrada da vida). Mas A Voz da lua , seu último filme, é sem-graça, sem inspiração, e com momentos de humor em que o limite do vulgar é ultrapassado. Ele não merecia encerrar uma brilhante carreira num nível de qualidade tão inferior aos seus maiores momentos.


ESPAÇO LIVRE



CINE MISCELÂNEA


Quando vi a ruiva inocente
no rosto da sensual morena
beijei a loira fremente.

Através do espelho a imagem
estilhaçada entre revólveres
confundindo-se na miragem.

Então a canção na chuva
como exposição mágica
acrescida de uma luva.

A explosão como desatino
o herói a cavalgar ferido
ao encontro de seu destino.

Na ciranda da felicidade
a infância redescoberta
deliciando nova idade.



Bené Chaves

por benechaves às 10:11