perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



domingo, outubro 03, 2004
Domingo, outubro 03, 2004

LUA CHEIA


            Painhô reuniu alguns amigos no alpendre, puxou o violão pra si e sentou-se na rede de armadores enferrujados. A lua surgiu com uma enorme claridade, aquele facho arredondado e amarelado quase batendo nos telhados da casa. Mainhô ainda me carregando na barriga, tudo indicava uma parição para breve. Mas, aqui pra nós, nunca vi um bucho demorar tanto!

            (Diz uma lenda que menininhos subiram e bateram naquela lua formosa. Então um homem no seu cavalo branco abriu sua gigantesca porta e os fez entrar. Ali estava uma mulher inquieta e nua, deitada entre vultuosas e pitorescas figuras. As inocentes crianças fizeram alguns pedidos que foram prontamente aceitos, mas depois desceram às gargalhadas e desapareceriam na madrugada fria. Ninguém conseguiu decifrar tais solicitações, porém São Jorge havia dito que o Sol seria o culpado da suspensão de uma noite linda. E saiu a cavalgar tentando resplandecer a Lua no interminável. Diz também a lenda que o dragão fez adormecer o astro maior, porém nunca confirmaram tal desconfiança).

            Então, a lua daquela noite tornou-se mais bela do que nunca. Não era qualquer uma, era a lua de Gupiara. Parecia que estava adivinhando e querendo escutar meu pai no violão. Ficou silenciosa e volumosa, firmemente volumosa. Painhô me disse depois que jurou existir uma particular simbiose dele com o exuberante satélite. Exagerando, creio eu.

            E com a terra ficando entre as duas maiores estrelas e recebendo de uma os raios lunares refletidos, ele cantou, disse-me, uns versos a que deu o nome de O fanfarrão:

            Dos repentes que sai de minha lira
            Já denuncio uma vida tenebrosa
            Nesta minha existência tão penosa
            Já fiz coisa que o mundo se admira
            Fiz um furo na Serra da Partira
            Qu'era maior que o Túnel do Pavão
            Bem lá dentro armei um açapão
            Todo composto de muitas navaias
            Qu'era pra ver se encontrava os canaias
            Que me viesse falar de avião.

            E espichou o estribilho, os olhos de namoro com a lua:

            Ai, ai, ai, ai Gupiara
            Ai, ai, ai minha Lua
            Ai, ai Mainhô
            Você é meu amor.

            As modas matutas traziam, às vezes, por si só, erros na composição, porém o gostoso era saber suas rimas.Que fosse pro diabo a ingerência gramatical!

            Painhô parou de vez, jogou o instrumento pro canto e abaixou a cabeça. Meu filho, dizia ele, penso comigo mesmo: o tempo passa, as pessoas se transformam, tudo se revela enigmático. A felicidade é transmutável.

            Despediu-se dos amigos e também da bonita lua, que ficou redondinha redondinha sem querer subir.Tia Chica já cochilava aos roncos, estirada lá pros fundos da casa. E minha mãe abria a boca de tanto sono.

            Que tivessem, pois, uma sossegada noite. Nada de remexerem comigo!


ESPAÇO LIVRE


ANGÚSTIA

No murmurar do
encantamento
a vida aparece
inquietante
mas a dor surge
instigante.
E a felicidade goteja
como partículas soltas
caídas do espaço.
No sussurrar aflitivo
de ilusões perdidas.

As minhas e
as tuas.

Bené Chaves

por benechaves às 16:17