perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



quinta-feira, outubro 07, 2004

Abro hoje um parêntesis para compartilhar com todos vocês da crônica do escritor e crítico de cinema Francisco Sobreira (Natal) sobre o grande cineasta François Truffaut, falecido precocemente no mês de outubro há vinte anos atrás.(Lembro aqui, com saudade, da morte de meu pai, ocorrida também neste longínquo 1984). Eis, portanto, o comentário de nosso amigo:

FRANÇOIS TRUFFAUT


Há vinte anos morria François Truffaut, deixando um imenso vazio no cinema francês. Truffaut fazia parte daquela categoria de diretores-cinéfilos e foi certamente o número um deles. Mesmo quando já se tornara um cineasta consagrado, ele continuava a ver filmes e a escrever sobre cinema, embora parecendo que, nesse período, sem mais exercer a crítica por obrigação, tenha optado por falar das obras dos seus diretores preferidos.
Seu contato com o cinema envolveu etapas naturais que foram paulatinamente sendo vencidas. Primeiro, como espectador compulsivo, lembrando a condição de ?rato fugindo da vida?, de que fala Drummond no poema Canto ao Homem do Povo Charles Chaplin. É que o garoto François Truffaut buscava nos filmes uma forma de amenizar a solidão e a hostilidade que sentia no ambiente familiar e nos bancos escolares. E não será exagero dizer que ele se livrou dos perigos de uma existência marginal ao descobrir o cinema, pois através deste conheceu o lendário crítico Andrè Bazin, que o protegeu e o apoiou nos momentos mais difíceis de sua vida.
A etapa seguinte foi o cineclubismo, tornando-se crítico a seguir, daí a realizador de curtas e, finalmente, de longas. Como crítico foi, talvez, o mais severo e rigoroso de quantos escreviam nos ?Cahiers du Cinéma? (entre os quais, Godard, Chabrol e Rohmer, também futuros cineastas). Impiedoso no julgamento de um filme que o desagradasse, parecia disposto a destruir a carreira do diretor com a sua pena cáustica.
Por outro lado, quando gostava de um filme, a sua análise revelava uma incontida satisfação, quase a felicidade, se poderia dizer.
Se, com uma frase, pudéssemos definir o cinema de Truffaut, diríamos que ele se caracteriza por uma candente declaração de amor sob as mais diferentes e variadas formas. Alguns exemplos. O amor ao período da infância, embora a dele não tenha sido particularmente feliz, em Os Incompreendidos e Na Idade da Inocência; o amor livre das convenções sociais e das injunções morais em Jules e Jim/Uma Mulher para Dois; o amor desmesurado, abeirando-se do estado patológico em A História de Adèle H; o amor aos livros, cuja preservação em face do regime obscurantista, que os leva à fogueira, é feita pela memória dos leitores, em Fahrenheit 451; o amor ao cinema, em seu momento de criação, e por extensão aos que nela estão envolvidos, em A Noite Americana.
Ele não foi um inventor, sequer um inovador (mas tanto estes, quanto aqueles, não são muitos no cinema), no entanto, soube dotar os seus filmes de um lirismo e de uma leveza que tocavam fundo no espectador. À narrativa imprimia uma intensa agilidade, usando poucos cortes nas cenas, provavelmente inspirado no estilo de Max Ophuls, um de seus ídolos. É, pois, nessa forma sensível e delicada de tratar os temas humanos e afetivos, às vezes adicionando lances de humor, que há de ser reconhecida a sua importância.
Para concluir, uma pequena amostra do amor de Truffaut pelo cinema. Eis o que ele disse numa entrevista de 1971. ?Gosto tanto de cinema, que mal suporto a companhia das pessoas que não gostam. Certo dia dei carona a um alemão. Falei-lhe de Fritz Lang e ele não reconheceu o nome. Max Ophuls, muito menos. Então, o fiz descer do carro em Lyon, fazendo-o crer que ia parar nessa cidade?. Esse era Truffaut.


E S P A Ç O L I V R E

SAUDOSO PASSADO


Na solidão lembro-me:
efêmera jovialidade
requebros
bulícios
intumescências
furor irracional
moça virgem
moço carente
mulher potente
homem veemente
velhice indolente
idade demente.

Vida aparente...


Bené Chaves

por benechaves às 09:02