perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



terça-feira, setembro 21, 2004

VIDA A DOIS


            Minha mãe casou-se bem novinha, com apenas dezessete aninhos. Em plena efervescência juvenil. E comentavam que era uma moça linda. Parece que eu puxei a ela, pois falam que sou uma pessoa de belo porte. (Fico grato no que estas palavras dizem respeito a mim). Portanto, Mainhô estava em plena floridade, para usar aqui um neologismo.
            Naquele tempo era meio difícil as moças se aquietarem no lugar. O clima quente da região também favorecia tal comportamento.E ficavam logo com medo do caritó, praga que persegue algumas até na atualidade, o que é uma grande besteira. Mas, seria o costume de uma época.
            Painhô foi o contrário, divertiu-se quando solteiro e tinha vinte e oito anos quando casou. E isso porque ele inventou de 'bulir' com minha mãe. Azar ou sorte dele, não sei, ele que me conte depois essa historinha. Mas, o termo 'bulir' era engraçado, porém em voga no período, disse-me certo dia. Se você 'comia' uma mulher, não usaria nunca esta palavra, pois seria uma aberração.
            Creio que atualmente não se 'bolem' mais com as mulheres. E todos devem saber o vocabulário certo nas suas conquistas. Existem inúmeras designações para tal uso.
            Meu pai me falou que algo lhe chamou a atenção no seu relacionamento com Mainhô. O algarismo seis. Pois, então, namoraram durante seis meses, casaram em um dia seis, tiveram seis filhos e até a igrejinha do casório tinha o número seis na sua fachada como identificação. Juro que vi este algarismo pregado na parede, dizia ele.
            Na época proibiam tudo, comentou minha mãe.Você sabe, meu filho, cidade com menos gente o falatório corre solto. Porém, as desgraças só acontecem no dia. Era jovem, podia ter aproveitado melhor a idade.Sei que o tempo não espera nada. E seu pai apareceu naquela hora. Quando chega o momento, tudo se revela e não se revela, pois a existência sabe e dita as mudanças, dizia ela, meio filosofando.
            A lua surgiu e iluminou o terraço. Longe dali, mulheres e homens saíam às ruas para olhar o bonito anoitecer. Gupiara enfeitou-se. Ficavam todos com cadeiras e redes nas varandas e se deliciando com o crepuscular acontecimento.
            Tia Chica gritou da cozinha que a janta já estaria servida. Painhô depois apenas observou a lua diminuir de tamanho. As ruas ficaram escuras, ouvia-se o zumbido das cigarras e as sombras das árvores afugentavam poucas crianças que brincavam ao derredor.
            Ele me disse que se fixou no horizonte e sentenciou: o que existe mesmo é uma mistura de misticismo versus ceticismo. A vida é uma mesclagem!, falou interrogativo, como se estivesse conversando somente para si.
            Sei não porque Painhô disse isso, mas pareceu-me que nesta noite os dois estavam querendo apenas meditar sobre nossa existência.



ESPAÇO LIVRE



SEQUÊNCIAS E CENAS ANTOLÓGICAS (4)

            Þ Toda a seqüência inicial de "Amor Sublime Amor" (Robert Wise & Jerome Robbins,61), belíssima história narrada através da música e da dança.
            Þ A cena de "O Grande Ditador" (Chaplin, 40), onde o famoso cineasta imita Hitler e brinca com o globo simbolizando uma dominação do mundo.
            Þ Toda a seqüência final de "2001: uma odisséia no espaço" (Kubrick, 68) e seu questionamento filosófico.
            Þ A cena final de "Os Brutos também Amam" (Stevens, 53), com o apelo do menino para seu herói não ir embora.

BENÉ CHAVES

por benechaves às 11:13