perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



quarta-feira, setembro 08, 2004

PAINHÔ


            Meu pai era um sertanejo brabo e, paradoxalmente, manso ao mesmo tempo. Ele tinha esta peculiaridade. Vivia dizendo que a vida no campo era a saúde do corpo. Então, de manhã cedinho saía galopando o cavalo pampa e corrigindo as coisas do meu avô. Seguia pro curral, segurava aquela bonita vaca pelo laço e depois prendia o filhote bezerro perto do peito da mesma.
            Ali, ele tirava algumas poucas latas do leite morno e espumante e enchia copos e mais copos, depois distribuindo nos arrabaldes, aquela população agradecendo sua generosa atitude.O que sobrava dava pra encher a pança dos que moravam na fazenda.
            Ele era feliz e sabia que era. Sou um sujeito simples e sem lengalenga, costumava falar. As pessoas gostavam dele, principalmente aquelas mocinhas que viviam à cata de um marido pra arrumar suas vidas.(Mas aí já existia um certo interesse, menos pelo que possuía e mais pelo belo porte de masculinidade).
            Meu avô não tinha muito, mas o pouco que tinha ajudava muita gente. E essas coisas no sertão são de grande valia para todos.
            Porém, depois Painhô pegava seu chapéu de couro e se metia no mato em busca de serviço. Eu gostava daquilo, dizia ele sorrindo.Acho que foi nesse período que Painhô começou a tocar violão. Embora com a sequidão quase cruel, imaginava o gado pastar livremente. E as bostas das vacas caírem em abundância naquela terra, dando adubo pros terrenos sedentos de água.
            Após tomar uma coalhada gostosa feita mesmo pela mãe, dele, lógico, sentava-se na pequena varanda e, antes de cantar algo, soltava um arroto de desprendimento, mansidão e olhando aquela imensidão. Os cantos melódicos e às vezes românticos enchiam o corpo de todos de um prazer incomum. Ladrões inexistiam, a violência não campeava e, portanto, a noite seria nossa.
            Meu avô dizia pra Painhô que macho que é macho tem de provar de vários melaços. Pra saber o melhor e ficar comendo, completava, desviando o olhar de sua mulher.Meu pai, então, atiçou:

            Aqui neste sertão
            Mulher é feito pilão
            Sem tripa sem tudo
            E também sem coração.

            Painhô lambeu os beiços e passou a língua entre os dentes, entrecortando uns acordes e fixando repentes:

            Minha mãe brigou comigo
            Só por causa de uma urupema
            Quanto mais se ela visse
            Meu namoro no cinema.

            A lua surgiu e desapareceu, a noite ficou melancólica. Ele olhou ao redor e disse: tudo na vida gira em torno dos dois sexos: o feminino e o masculino, claro. E ultimou: é uma tamancada de vida! Seguimos o rumo da existência, cônscios ou não de nossas obrigações, completou.
            Não sei porque falou isso, porém falou. Era assim mesmo, cheio de improvisos.
            Levantou da cadeira, deu boa-noite e foi dormir. Amanhã cedinho reiniciaria novas tarefas.



ESPAÇO LIVRE

CINEMA

SEQUÊNCIAS E CENAS ANTOLÓGICAS(1)

            Þ A cena na escadaria de Odessa no filme soviético "O encouraçado Potemkin", de S. Eisenstein (1925).
            Þ A seqüência final de "A Doce Vida"(Fellini, 1960), com a podridão de um mundo ruim sobrepujando a inocência no rosto suave da menina-moça.
            Þ A cena final de "Luzes da Cidade"(1931), de Charles Chaplin, quando a florista reconhece no seu protetor a figura do vagabundo. É de arrepiar!
            Þ A seqüência inicial de "A Marca da Maldade"(1958), com todo o movimento e inquietação da câmera.

Bené Chaves

por benechaves às 21:35