perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, setembro 25, 2004

NOITE DE SÃO JOÃO



            Era noite de São João em Gupiara. Foguetões, traques, fogueiras incendiando, arraiás festivos. Houve até uma 'quadrilha' no pequeno salão meio improvisado nas imediações. Os festejos iniciaram. Tudo ao redor virou imensa festa.
            Chamaram um tal de Zé Molenga que, apesar do nome, cantou e rodou feito um pião. Avalie você se ele não tivesse tal apelido... Teve casamento e tudo, o forró solto na saleta e na alegria dos participantes. Esse violonista lembrou Painhô, pois manejava as duas mãos com facilidade. Era também ambidestro, igualzinho a ele.
            Mainhô, filho, não quis afoitar-se, ficou em casa mesmo com Tia Chica, aquela sua pança crescendo sempre e quase pertinho de parir. Seria uma temeridade, inclusive pra você, lógico, se ela fosse dançar a noite toda.
            Evidente que São João não era uma festa alinhada, o povo dançava forró mesmo na rua, com hiato e tudo. E meu pai cansava de ver a animação pra riba.A fogueira queimando os pés e as labaredas esquentando o vento.
            Ele disse? Disse sim senhor! Você será meu compadre? Oba!... oba! Quem mandou?
            Painhô conseguiu uma parceira e foi o noivo daquela festança que iniciara.Dançou a noite toda, acho, pois não me contou tudo direitinho. Claro que não iria contar.Apenas me disse que o chato do irmão da noiva ficou assediando os dois.
            Alguém, então, gritou do salão: homem de um lado, mulher do outro, juntar, cruzar, trocar, juntar de novo. Epa! A animação fez esquecer tudo, os instrumentos soltos no ar. Viva o noivo, viva a noiva! E os corpos das pessoas iam animando hora a hora, minuto a minuto.
            Portanto, foguetões clarearam o céu, as crianças brincando com 'peido-de-velha', 'cobrinhas', 'rojões', 'estrelinhas'e etc. A inocência nas suas caras. Rostos de brinquedos.
            Sei não, mas tenho ligeira impressão que deva existir alguma convivência, continuou meu pai. Hipotética versus real. E quando saí vi cinzas espalhadas na fogueira, últimas lembranças da noite de São João. São duas festas com resquícios iguais no nome. Fim de ano x meio de ano. Gupiara pensara assim.
            Ah, a madrugadinha apareceu e o santo confirmou: ligeireza dos homens se metendo nos matos com suas companheiras. Parece que não suportavam a quentura do ambiente. Mas, aquilo tudo era uma estratégia. Uma bela estratégia!
            Ali na estrada, meu filho, falou ele, vi labaredas fervendo o tempo. Gupiara me pareceu bonita. Nos morros uma cor avermelhada subiu e fumaças juntavam-se às nuvens. Supunha-se um lusco-fusco fora de hora.
            No salão o baile acabara. E meu pai contou ainda que moças e rapazes juntaram seus rostos e talvez também seus corpos. Na simetria própria entre os dois sexos. A festa depois caducou, vislumbrei somente fiapos afligindo o santo de temperatura elevada.
            Painhô, então, disse: no sertão, onde nasci e aqui em Gupiara, o povo acredita nos sentimentos humanos. Ou acreditava.




ESPAÇO LIVRE


SEQUÊNCIAS DE CENAS ANTOLÓGICAS (5)


            Þ A seqüência do estupro em "Rocco e seus Irmãos" (Visconti, 60), desde o ato em si, até o final da briga dos dois irmãos nas ruas desertas do lugarejo.
            Þ A cena de "Cantando na Chuva" (Kelly & Donen,52), com Gene Kelly dançando(e cantando) na chuva, num dos momentos antológicos do filme.
            Þ A seqüência dos espelhos em "A Dama de Shangai" (Welles, 48), em outro soberbo instante cinematográfico.
            Þ A cena da morte da cachorra Baleia em "Vidas Secas" (Nelson P. dos Santos, 63). Autenticidade e perfeição elevando o filme ao clímax.

Bené Chaves

por benechaves às 10:12