perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



domingo, setembro 05, 2004

MAINHÔ



Gupiara a cada dia tornava-se uma cidade de bem (ou mal?) sucedidos negócios. Homens gananciosos apareciam, queriam munir-se, intrometer-se e tomarem conta da província. Primeiro, porque só pensavam em ganhar rios de dinheiro.Segundo, não respeitavam ninguém nos supostamente escusos contatos. E aquilo ia seguindo uma tendência de apodrecer suas possíveis dignidades.

Meu pai não disse nada acerca de tudo, mesmo porque, acho, estaria com intenções de também usufruir de um pequeno comércio. Mas somente se fosse algo justo, pois, pensava, sobretudo, na família. Em mantê-la com honradez de homem vivido no sertão. Nada que depreciasse sua integridade.

A versão de que pretendia ficar rico por conta dos diamantes explorados, não passava de pura especulação.Inclusive todos os fatos não foram mais do que uma lenda, mesmo Tia Chica tendo declarado o contrário. Era a sua fantasia, a nossa fantasia. O sonho de Gupiara.

Mas, naquela tardinha, caía uma neblina e refrescava um pouco o parco jardim da casa de Mainhô. As nuvens medravam, o sol murchava e as flores desprendiam.A folhas, alegres, remoçavam. Pingos d'água intumesciam. E das telhas desciam apressados, respingando sobre a terra molhada. Ruídos aumentavam depressa.

Um enorme relâmpago clareou a casa e assustou minha mãe. E eu fiquei com um bruto medo de que ela não abortasse devido ao susto, claro, pois estava ali dentro da barriga dela. Tumultuou mais ainda quando um estrondo pipocou, causando medo naquelas duas frágeis criaturas. Elas se agarraram como crianças.

Ao escurecer o inesperado temporal passou. Então minha mãe lamentou aquela meleca da chuva.Os últimos resquícios escorriam, o sol transpunha o círculo, a noite surgia bem viva. E as nuvens fugiam ante a presença soberana da lua.

Mainhô abriu a porta e sentiu um sorriso no ar, agradecida. As escassas rosas soltavam perfumes, as raízes fortaleciam. Tia Chica enxugou o alpendre cantarolando algumas canções. E então as duas desfrutaram daquele prazer, a fragrância invadindo seus corpos.

Na cidade onde nasceu, Mainhô me contou, tempos depois, que algo semelhante teria acontecido. Choveu bastante e um estranho aroma invadiu narinas inteiras, hipnotizando um povo crédulo. Era um fenômeno raro, meu filho, não se soube de nenhuma explicação. Talvez tenha sido somente um sonho.

Um tal de Nhozé, continuou ela, conhecido cantador da região, juntou a cambada toda e gritou:


Povo sofredor não desespere
Enquanto houver vez você espere
Um dia há de chegar
E todos estaremos por lá
Onde quer que se vá


Era um homem negro, alto, muito magro. Remexia e esfumaçava. Parecendo até que o cheiro daquelas rosas tivesse tido influência direta nas suas cantorias. E ele levou horas seguidas, entrando pela madrugada adentro. Deu chapinhada no quengo.

Porém, quando Mainhô quis continuar, notou que eu já adormecera no seu colo de mãe.


ESPAÇO LIVRE


O poeta Horácio Paiva(RN) enviou este poema inédito. Compartilho com os leitores:

NA TORRE AZUL

Moro numa torre azul
e tenho o mar ao meu lado
não aos meus pés.

Do alto posso contemplar
dois mistérios
dois caminhos infinitos
e paralelos:

a praia de curvas ondulantes
e a rua de asfalto negro.

O primeiro leva a Netuno
e às vastidões oceânicas.

O segundo, a Plutão
e aos seus domínios subterrâneos.

por benechaves às 14:28