perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



quinta-feira, agosto 05, 2004

O início


Tudo começou naquele dia em que meu pai deitou-se com minha mãe. O verbo aqui, lógico, é força de expressão, porque acho que eles foram além de um simples acolhimento. Afinal, nem sei quando e onde foi isso. Mas sabia que não era toda hora que se tinha a oportunidade gostosa para se realizar sonhos e delírios. Não sei se meu pai concretizou o dele, sei apenas que eu nasci. E tenho a ligeira impressão que tudo partiu daquele encontro talvez furtivo. As conseqüências que se danassem! Os desdobramentos, ah!, que fossem pastar...

Parece mesmo que os dois se encantaram, claro, como acontece com os ditos e ditosos casais numa tarde ou noite de inverno ou verão. Sobre isso nada posso acrescentar e ninguém depois me disse qual estação fazia na ocasião daquele assanhamento.

O tempo passa e carrega com ele o chamado ciclo-vicioso. Então, a espiral fica enorme. A vida é uma loucura? Nada como atos e fatos. E eles, os fatos, se tornaram realidade depois do embate amoroso entre aquelas duas criaturas.

Em Gupiara a lua nascia e crescia dentre os morros. Se alguém conseguisse a proeza de chegar até lá, acho que poderia alcançá-la no seu estágio supremo. A cidade dormia cedo, todos se recolhiam após a janta. Fora, o vento azucrinava as portas com um ruído fino e impertinente.



ESPAÇO LIVRE


Sobre a vida e a morte


Sobre a morte, esse fantasma que ronda nossas vidas e nos pega de surpresa, já comentava o célebre escritor argelino Albert Camus: "o que me espanta sempre, quando sempre estamos tão dispostos a sutilizar noutros assuntos, é a pobreza de nossas idéias acerca da morte". E acrescenta adiante que "terei de morrer, mas isso nada quer dizer, porquanto não chego a acreditar e só posso ter a experiência da morte dos outros". Todavia, diz ele: "... penso então: flores, sorrisos, desejos de mulheres, e compreendo que todo o meu horror de morrer está contido em meu ciúme de viver".

Apenas como ilustração: no excelente filme de Bergman, O sétimo selo, o assunto é focalizado e, na sua seqüência final, mostra a sempre temível Morte carregando enfileirados todos os personagens da trama.

Mas, vamos falar da vida... E sobre ela temos o depoimento realista do escritor Henry Miller, quando diz, entre outras coisas, que " a meu ver o mundo caminha para a ruína. Não é preciso muita inteligência para ir vivendo, do modo que as coisas andam. Na verdade, quanto menos inteligência se tem, mais se progride", arrebatando depois que "eu queria encantar, mas não escravizar; queria uma vida mais ampla, mais rica, porém não à custa dos outros; eu queria libertar a imaginação de todos os homens..."

E diante dos questionamentos da vida e da morte, apelamos para o filósofo Confúcio, que viveu lá nos idos dos anos 531-478 a C. Dizia ele, com a sabedoria que lhe foi peculiar: "como hei de compreender a morte, se ainda não compreendo a vida ?"

Bené Chaves

por benechaves às 00:43