perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sexta-feira, agosto 20, 2004

AS EMBOLADAS DE PAINHÔ



O lusco-fusco de Gupiara encantava a todos. Do alpendre largo meu pai se aconchegou com minha mãe e foram olhar a hora do crepúsculo. A noite ficou quieta e a espontaneidade fluiu. Na cozinha o cheiro da arte exemplar de Tia Chica. E meu pai com gáudio no rosto, minha mãe também. Longe dali, folhas secas caíam grudando na bosta das vacas que pastavam distraidamente.

Enquanto a preta velha servia o leite gostoso e espumoso, aquele arroto ia saindo com satisfação. Por cima e por baixo. Painhô, então, levantou-se e voltou ao terraço, colocando a rede nos sujos armadores. Viu, dali, deitado, a enorme lua que surgiu dentre os morros. Ela quase roçando seu rosto. Ficou extasiado com a bonita paisagem.

Gritou pedindo o violão e convidou as duas mulheres para o ouvirem cantar. Acho que Gupiara escutou também aquele chamamento. Moveu as duas mãos e iniciou as modas:

Menina dos olhos d'água
Me dê água pra beber
Não é sede não é nada
Só vontade de te ver.

Afinou o estribilho na segunda pauta:

Ai céu céu céu
Ai céu sereno
Ai céu me leva
Para os braços da morena.

Enquanto minha mãe saía um pouco, talvez pra tomar água, não sei, meu pai aproveitou sua ausência e sapecou baixinho:

Mulher casada
Que duvida do marido
Toma a mão no pé do ouvido
Pra deixar de duvidar.

Mas, quando ela voltou, procurou agradá-la. Painhô era assim, cantava o momento, de acordo com suas conveniências:

Homem casado
Beliscou mulher dos outros
Pode-se dizer morto
Na ponta do meu punhal.

E, olhando, de soslaio, para a mulher, inventariou outra moda, claro, tocando com entusiasmo:

Mulher de vergonha
Não se meta em beliscada
Seja fiel ao marido
Senão fica atrapalhada.

Ao longe, alguns pampas relinchavam e um ruído estranho estendeu-se no matagal. Tudo ali era livre, belo, sadio. Mas, no fundo, sentia-se uma falta de esperança ao se olhar o horizonte, as plantações ressequidas, o povo sempre sofrido, a água escassa.

Painhô levantou da rede, calçou os chinelos e puxou o violão pra debaixo de um braço e a mulher pra debaixo do outro. Não sei não, mas, toda vida que meu pai ia cantar, despertava-lhe uma fome diferente, acho que de sexo. Ele me contou depois que foi dormir, mas tenho em mente que era apenas uma força de expressão.

E ele ia lá dormir numa situação daquela...



ESPAÇO LIVRE


ATO FINAL


Os teus sensuais seios
brotaram em mim
tumescências viscerais
cobiças violentas
flagelações...

E no alvorecer tardio
você trouxe a aurora
e eu te dei perene
a última gargalhada.

Bené Chaves

por benechaves às 16:33